Busca avançada
Ano de início
Entree

Polimerização de xilanas de baixa massa molar via acoplamento oxidativo dos ácidos hidroxicinâmicos

Processo: 18/17417-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2018
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica
Pesquisador responsável:Andre Luis Ferraz
Beneficiário:Ana Maria dos Santos Camargos
Instituição-sede: Escola de Engenharia de Lorena (EEL). Universidade de São Paulo (USP). Lorena , SP, Brasil
Assunto(s):Polimerização   Biotecnologia   Biorrefinarias   Extração

Resumo

A utilização de material lignocelulósico no contexto das biorrefinarias atende à demanda atual por tecnologias mais sustentáveis, abrangendo diversos processos integrados. Nesse contexto, a hemicelulose, um importante recurso natural, é um dos principais componentes encontrados na biomassa lignocelulósica e possui potencial de aplicação biotecnológica em diversos setores da indústria. Dentre os pré-tratamentos mais utilizados para diminuição da recalcitrância da biomassa, o processo quimio-termomecânico que emprega sulfito alcalino é o responsável por uma maior solubilização da lignina e preservação das frações de polissacarídeos, o que possibilita rendimento superior de hidrólise da celulose para produção de etanol de 2° geração, por exemplo. A exploração da fração de xilana, o polissacarídeo hemicelulósico mais abundante da parede celular vegetal, têm recebido destaque e seu isolamento pode ser conduzido por meio da aplicação de soluções alcalinas ou de tratamento enzimático. Estudos prévios demonstram que xilanas extraídas enzimaticamente de biomassa pré-tratada com sulfito alcalino são mais puras e apresentam uma baixa massa molar. Além disso, possivelmente se encontram associadas a porções de ácidos hidroxicinâmicos através de uma ligação éster entre arabinose e o ácido hidroxicinâmico. A polimerização das xilanas de baixa massa molar a partir dos terminais fenólicos dos ácidos hidroxicinâmicos empregando enzimas oxidativas se apresenta como alternativa para promover o aumento da massa molar e possibilitar a expansão das aplicações desses materiais poliméricos, agregando valor à utilização de bagaço de cana-de-açúcar nas biorrefinarias.