Busca avançada
Ano de início
Entree

Integração regional e a horizontalização da política externa brasileira: preferências do empresariado nos projetos de infraestrutura na América do Sul

Processo: 18/08150-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 29 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política - Política Internacional
Pesquisador responsável:Wagner Pralon Mancuso
Beneficiário:Tiago Franca Menegatti
Instituição-sede: Instituto de Relações Internacionais (IRI). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/21311-0 - Desafios na integração de infraestrutura na América do Sul: momentos de crises, BE.EP.MS
Assunto(s):Política externa   Integração regional   Infraestrutura   América do Sul

Resumo

O presente projeto de pesquisa tem como objetivo compreender melhor se as preferências do empresariado na agenda da integração da infraestrutura da América do Sul têm contribuído para a desconcentração do processo decisório e da ação externa brasileira na região após a criação da Iniciativa para a Integração Regional Sulamericana (IIRSA) em 2000. A atuação internacional brasileira tem sido pautada por um forte elemento institucional, representado pelo poder burocrático do Itamaraty: um dos fatores que explicam a tendência de continuidade da política externa brasileira. Contudo, em temas com maior exposição ao público, espera-se uma maior pressão de atores domésticos estatais e não-estatais gerando uma maior participação presidencial no tema. Enquanto que, em assuntos mais técnicos, se observa uma maior presença de agências especializadas e de representantes da sociedade civil. Nesse aspecto, indagamos, em que medida a importância da infraestrutura regional para o empresariado tem permitido sua maior participação no processo decisório da política externa brasileira e, dessa maneira, tem contribuído para a relativização do insulamento do Itamaraty. Buscaremos, portanto, entender qual o sentido que as preferências do empresariado nos projetos de infraestrutura sul-americana têm assumido para a atuação brasileira nos processos de integração e cooperação na região. (AU)