Busca avançada
Ano de início
Entree

A ótica dos corpos em movimento sob a visão do realismo estrutural: questões não consensuais de natureza da ciência na formação de professores

Processo: 18/04779-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2018
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Educação - Ensino-aprendizagem
Pesquisador responsável:Ivã Gurgel
Beneficiário:Felipe Prado Corrêa Pereira
Instituição-sede: Instituto de Física (IF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Filosofia   História da filosofia   Óptica   Epistemologia   Realismo   Ensino de ciências

Resumo

A inserção da História e da Filosofia da Ciência no ensino é amplamente defendida na literatura nacional e internacional com o objetivo de combater noções distorcidas e ingênuas acerca da Natureza da Ciência (NdC). O presente trabalho, descrito neste projeto, pretende explorar um aspecto específico da NdC, a saber, o debate Realismo/Antirrealismo científicos. Cada extremo do debate é marcado por um importante argumento: os realistas invocam o chamado argumento do milagre (no miracle argument), afirmando que o grande sucesso empírico das ciências naturais seria um milagre caso as teorias científicas não gozassem de um estatuto ontológico; os antirrealistas invocam o argumento da metaindução pessimista, advogando que não temos nenhuma razão para acreditarmos que as teorias científicas correntes correspondem à realidade, uma vez que até as melhores teorias do passado se mostraram falsas. Na tentativa de conciliar os dois argumentos, uma ramificação do Realismo defende que apesar da existência de mudanças radicais na visão de mundo da ciência, esta tem um caráter cumulativo que reside nas estruturas matemáticas desenvolvidas a partir das teorias científicas. Em outras palavras, a carga de realidade deve ser atribuída à estrutura das teorias, e não às suas entidades postuladas ou conteúdo físico. Esta posição é chamada de Realismo Estrutural. Em um primeiro momento, visando explorar as contribuições e limitações desta posição filosófica, o presente trabalho pretende analisar um episódio da história da física: a transição das interpretações do coeficiente de arraste de Fresnel - estrutura matemática utilizada para prever e explicar fenômenos da ótica dos corpos em movimento - desde a época de sua proposição até sua reinterpretação pelo eletromagnetismo e pela Relatividade Restrita. Em um segundo momento, se avaliará e analisará as contribuições destas discussões teóricas para o Ensino de Física em nível superior. Para tanto serão feitas intervenções em sala de aula e questionários durante uma sequência de aulas sobre o estudo da ótica dos corpos em movimento entre o século XIX e início do XX, a ser ministrada pelo orientador deste trabalho. Espera-se, então, interpretar e analisar as diferentes posições dos alunos sobre o debate realismo/antirrealismo científico.