Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de processo de purificação de L-asparaginase humanizada e sua caracterização

Processo: 17/20384-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 31 de maio de 2020
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Processos Industriais de Engenharia Química
Pesquisador responsável:Adalberto Pessoa Junior
Beneficiário:Eduardo Krebs Kleingesinds
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08617-7 - Produção de L-asparaginase extracelular: da bioprospecção à engenharia de um biofármaco antileucêmico, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):19/06919-2 - Avaliação in vivo de L-asparaginase humanizada livre e nanoencapsulada em lipossomos, BE.EP.DR
Assunto(s):Purificação de proteínas   Asparaginase   Pichia pastoris   Leucemia-linfoma linfoblástico de células precursoras   Biofármacos

Resumo

A busca por novos biofármacos está mobilizando setores acadêmicos, industriais e governamentais no desenvolvimento de processos biotecnológicos que viabilizem a produção em escala industrial de princípios ativos que ajam contra determinada desordem e minimizem seus efeitos colaterais, como é o caso do biofármaco antileucêmico L-asparaginase. A Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA) é uma desordem do sistema autoimune que se caracteriza pela produção excessiva de linfoblastos que sofreram mutação e se tornaram incapazes de sintetizar o aminoácido L-asparagina. A atuação da enzima L-asparaginase consiste em sua ação catalítica seletiva de forma a promover a desaminação do aminoácido L-asparagina circulante no sangue em ácido aspártico e amônia. Na ausência deste aminoácido, essencial para os linfoblastos lecucêmicos, a síntese de DNA, RNA e proteínas é comprometida ocasionando apoptose celular. As células saudáveis, por sua vez, não são afetadas por serem autossuficientes na síntese deste aminoácido. A alta incidência das manifestações imunogênicas indesejadas em pacientes medicados com formulações de L-Asparaginase existentes no mercado reflete na necessidade do melhoramento no protocolo de tratamento da LLA. A elucidação das propriedades físico-químicas e cinéticas dessa enzima, bem como a busca por novas fontes alternativas e inovadoras, condições otimizadas de cultivo e implementação de metodologias adequadas de purificação, contribuirão com novas perspectivas para a produção nacional de um potencial biofármaco que não apresente as limitações das atuais formulações. Em trabalhos desenvolvidos recentemente em nosso laboratório passamos a produzir L-Asparaginase II expressa por Erwinia chrysanthemi em vetor Pichia pastoris, sendo que o presente projeto tem por objetivo principal estabelecer a melhor estratégia de purificação da enzima para que seja avaliada seu potencial como biofármaco adequado a fins terapêuticos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
EFFER, BRIAN; LIMA, GUILHERME MEIRA; CABARCA, SINDY; PESSOA, ADALBERTO; FARIAS, JORGE G.; MONTEIRO, GISELE. L-Asparaginase from E. chrysanthemi expressed in glycoswitch: effect of His-Tag fusion on the extracellular expression. PREPARATIVE BIOCHEMISTRY & BIOTECHNOLOGY, APR 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.