Busca avançada
Ano de início
Entree

Estabilidade e organização do movimento durante o andar na trave de equilíbrio em idosos

Processo: 18/18081-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Renato de Moraes
Beneficiário:Andréia Abud da Silva Costa
Instituição-sede: Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/00387-9 - Organização do movimento durante o andar na trave de equilíbrio em idosos, BE.EP.DR
Assunto(s):Controle motor   Equilíbrio postural   Idosos

Resumo

O envelhecimento afeta diversas habilidades, como marcha e postura. A manutenção do equilíbrio durante a marcha é um fator crítico na determinação da qualidade de vida, mas é complexo de ser avaliado. Testes com esse propósito têm sido desenvolvidos para a prática clínica, mas nem sempre são sensíveis para discriminar indivíduos com níveis intermediários de equilíbrio. Andar sobre uma trave envolve a redução da base de suporte, maior precisão no posicionamento do pé e uma pequena elevação na altura em que a marcha é realizada, o que causa maior dificuldade do que andar no solo. A utilização de diferentes larguras da trave pode ser uma forma eficiente para distinguir diferentes níveis de equilíbrio em relação ao uso de uma largura fixa da trave. Como fatores mecânicos (i.e., posição dos braços) e cognitivos podem influenciar no desempenho do andar na trave, compreender o efeito desses fatores pode contribuir para o futuro desenvolvimento de testes de equilíbrio mais adequados. Assim, o primeiro objetivo é investigar o efeito da largura da trave, posição dos braços e presença de tarefa cognitiva na estabilidade do andar na trave de equilíbrio em idosos (estudo 1). Igualmente importante é entender como os idosos organizam sua atividade motora para caminhar em um contexto instável, como a marcha na trave. A coordenação muscular envolve o uso de combinações flexíveis de módulos motores para produzir um comportamento motor, que podem ser avaliados pela consistência, distinção e separação desses módulos. O envelhecimento causa maior variabilidade nos padrões de coordenação e reorganização dos módulos motores. Assim, o segundo objetivo é investigar os efeitos da idade, largura da trave, configuração dos braços e tarefa cognitiva sobre a organização muscular durante a caminhada na trave (estudo 2). No estudo 1, 20 idosos caminharão sobre uma linha reta no chão e sobre traves de 6, 8 e 10 cm de largura (2 cm de altura e 4 m de comprimento). Os braços permanecerão livres, cruzados no peito ou com as mãos na cintura. A tarefa cognitiva será a de subtração sequencial. Trina e nove marcadores serão posicionados em pontos anatômicos específicos do corpo todo e seus deslocamentos serão rastreados pelo sistema Vicon. Serão calculados os parâmetros espaço-temporais da marcha (comprimento, duração e velocidade do passo, e duração do suporte simples e duplo), a distância percorrida na trave e a margem de estabilidade dinâmica. Análises de variância serão utilizadas para analisar os efeitos dos diferentes fatores sobre as variáveis dependentes. No estudo 2, 15 adultos jovens e 15 idosos caminharão sobre uma linha reta no chão e sobre uma trave de equilíbrio cuja largura será definida com base no estudo 1. Os mesmos 39 marcadores serão afixados e rastreados pelo sistema Vicon, além de 14 eletrodos de eletromiografia que monitorarão a atividade muscular de músculos selecionados da perna direita e tronco. Os participantes caminharão com os braços livres e cruzados no peito, com e sem a presença da tarefa cognitiva descrita no estudo 1. As mesmas variáveis descritas no estudo 1 serão calculadas, acrescidas de análise de módulos motores. Também serão utilizadas análises de variância para investigar o efeito dos fatores manipulados sobre os parâmetros de desempenho da marcha e módulos motores. O nível de significância para todas as análises estatísticas será de 0,05. (AU)