Busca avançada
Ano de início
Entree

L'Idiot de la famille como antropologia existencial: análise da passividade & alienação

Processo: 18/13892-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - História da Filosofia
Pesquisador responsável:Luiz Damon Santos Moutinho
Beneficiário:Gustavo Fujiwara
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/25580-6 - O fundamento teórico e metodológico da antropologia existencial de Sartre, BE.EP.PD
Assunto(s):Alienação

Resumo

A presente pesquisa pretende examinar a última biografia existencial sartreana, L'Idiot de la famille, no sentido de identificarmos ali o modus operandi de uma antropologia existencial e o irromper de uma teoria da passividade e de seu correlato, a alienação. Operando na mencionada biografia um entrecruzamento de teses oriundas de L'être et le néant, "Questions de méthode" e Critique de la raison dialectique, Sartre modaliza, na primeira parte, "La constitution", conceitos como psicanálise existencial, práxis, projeto, dialética, método progressivo-regressivo, universal-singular... para, assim, restituir a suposta constituição passiva/atividade passiva do romancista francês Gustave Flaubert. Inicialmente, pretendemos elucidar a antropologia existencial forjada a partir dos anos 1960, a redefinição da consciência como práxis constituinte situada em um mundo objetivamente dado, em condições que ela não escolheu e que ela não determina a priori, mas pelas quais ela é, ao contrário, determinada. Em seguida, estudaremos os elementos teóricos que forjam esta antropologia, isto é, o método progressivo-regressivo e o conceito de universal-singular como resultado da reintegração do cogito na dialética. Estes pontos analisados, e a partir deles, será necessário que busquemos compreender o estatuto da psicanálise existencial revestida pela antropologia existencial e o modo como Sartre a emprega na biografia sobre Flaubert. Realizadas estas investigações, seremos capazes de identificar, na sequência, uma teoria original da passividade/alienação que, através do aspecto constitutivo da infância, da família e do social, fará emergir a ideia de liberdade alienada.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)