Busca avançada
Ano de início
Entree

Imunoterapia contra a Criptococose experimental: uma estratégia vacinal associada a imunoestimuladores ligantes de carboidratos

Processo: 18/19949-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 31 de outubro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Pesquisador responsável:Thiago Aparecido da Silva
Beneficiário:Patrícia Kellen Martins Oliveira Brito
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Imunologia celular   Imunoterapia   Glicômica   Criptococose   Infecções fúngicas invasivas   Carboidratos   Vacinas

Resumo

As infecções fúngicas comprometem milhões de vidas a cada ano. Dentre elas a Criptococose apresenta importante relevância por acometer tanto indivíduos imunocomprometidos quanto indivíduos saudáveis, representando uma das principais causas de morbidade e mortalidade mundial entre os indivíduos HIV+. Até o momento a utilização de drogas antifúngicas constitui o tratamento clínico de escolha no combate a Criptococose, no entanto a maioria dos agentes tóxicos para os fungos também desencadeiam efeitos colaterais nos pacientes. Com isso, renomados grupos de pesquisa têm utilizado abordagens inovadoras de terapias por meio de adjuvantes e estratégias vacinais para atuarem frente a componentes da superfície e do citoplasma das células fúngicas, conferindo proteção parcial contra a Criptococose. Diante desses dados promissores no controle da Criptococose através de diferentes métodos de aplicação de vacinas e o uso de agentes imunoestimulantes, a proposta atual objetiva atuar na imunoestimulação de células da imunidade inata visando o melhoramento da montagem de uma resposta imune celular, acoplada a utilização de anticorpos. Para isso, inicialmente estabeleceremos o protocolo de imunização mais adequado, uma vez que as células da imunidade inata serão estimuladas via TLR2/CD14, por meio da lectina ArtinM, ou via Dectina-1, através do peptídeo ²-glucano, previamente à vacinação com C. gattii atenuado. Os períodos de vacinação e administração dos agentes imunoestimulantes serão padronizados de acordo com a curva de titulação de anticorpos totais e específicos para componentes da parede celular fúngica, e também através dos demais objetivos específicos dispostos na atual proposta. Para complementar o protocolo de imunização aqui proposto, será acoplado uma estratégia imunoterapêutica baseada na administração de anticorpos monoclonais anti-GXM durante o curso da infecção com C. gattii. Uma vez aplicado o protocolo de imunização associado ao uso terapêutico de anticorpos anti-GXM, correlacionaremos a progressão da Criptococose com a resposta imunitária do hospedeiro por diferentes metodologias. Nossa proposta está alinhada ao consenso da comunidade científica sobre a necessidade de novas abordagens de vacinação de maneira associada com agentes imunoestimulantes, com foco no desenvolvimento de uma resposta imune celular e humoral protetora frente a Criptococose. Ao verificarmos a contribuição dos agonistas de TLR2 e Dectina-1 como potentes agentes imunoestimulantes da etapa de vacinação contra a Criptococose, e após constatarmos se essa etapa de imunização é auxiliada pelo uso terapêutico de anti-GXM, nossa atual proposta criará perspectivas de aplicações para diversas combinações imunoterapêuticas contra a Criptococose e outras infecções fúngicas invasivas. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DE CAMPOS, GABRIELA YAMAZAKI; OLIVEIRA, RAQUEL AMORIM; MARTINS OLIVEIRA-BRITO, PATRICIA KELLEN; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA; DA SILVA, THIAGO APARECIDO. Pro-inflammatory response ensured by LPS and Pam3CSK4 in RAW 264.7 cells did not improve a fungistatic effect on Cryptococcus gattii infection. PeerJ, v. 8, . (16/17037-2, 18/21708-5, 18/18538-0, 18/19949-4)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.