Busca avançada
Ano de início
Entree

Alimentos ultraprocessados e o 'protein LEVERAGE hypothesis': estudo em sete países

Processo: 18/17972-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Pesquisador responsável:Carlos Augusto Monteiro
Beneficiário:Eurídice Martínez Steele
Instituição-sede: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/14900-9 - Consumo de alimentos ultraprocessados, perfil nutricional da dieta e obesidade em sete países, AP.TEM
Assunto(s):Proteínas

Resumo

Em 2005, Simpson e Raubenheimer, baseados sobretudo em estudos experimentais, postularam a hipótese de que dietas humanas com teor insuficiente de proteína tenderiam a levar a um consumo excessivo de calorias (Protein Leverage Hypothesis -PLH). Isso por conta da prioridade fisiológica que teria a ingestão suficiente de proteína. Nesta medida, fatores que levassem a uma redução no teor de proteína das dietas contemporâneas poderiam levar a um aumento no consumo de calorias e, assim, explicar ao menos parcialmente, a epidemia mundial de obesidade. Um desses fatores, para aqueles autores, poderia ser a tendência documentada em vários países de substituição de alimentos não ou minimamente processados por alimentos ultraprocessados. Em seu doutorado, analisando dados populacionais de pesquisa nacional sobre consumo alimentar nos EUA, a candidata à bolsa encontrou evidências que suportam a PLH e o papel dos alimentos ultraprocessados no aumento do consumo de calorias (Martinez Steele et al 2017). Neste projeto, realizado em colaboração de Simpson e Raubenheimer, ela irá estender o seu estudo para outros seis países (Brasil, Colômbia, Chile, Canadá, Reino Unido e Austrália), sempre usando como fontes de dados pesquisas nacionais sobre consumo alimentar. Este projeto faz parte de projeto temático do NUPENS/USP sobre consequências do consumo de alimentos ultraprocessados para a qualidade da dieta e a saúde humana em sete países.