Busca avançada
Ano de início
Entree

Correlação funcional de eIF5A com o complexo Ribosome Quality Control (RQC)

Processo: 18/19854-3
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2019
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Cleslei Fernando Zanelli
Beneficiário:Cleslei Fernando Zanelli
Anfitrião: Judith Frydman
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Local de pesquisa : Stanford University, Estados Unidos  
Assunto(s):Síntese proteica   Fator de iniciação 5A em eucariotos

Resumo

O fator de tradução 5A (eIF5A) é altamente conservado em arqueas e eucariotos e essencial para a viabilidade celular em todos os organismos testados. eIF5A sofre uma modificação pós-traducional exclusiva e essencial para sua função, em que um resíduo de lisina é convertido em uma hipusina. eIF5A e seu homólogo funcional em bactérias, EF-P, associam-se entre o sítio peptidil (P) e de saída (E) de tRNA do ribossomo, auxiliam o correto posicionamento do peptidil-tRNA no centro da pepitidil transferase (PTC) do ribossomo e, consequentemente, facilitam a formação de ligação peptídica entre resíduos de prolina e outros amino ácidos em contextos que podem causar um tipo de parada ribossomal (stalling). Sequências de prolinas consecutivas causam restrição espacial que reflete na sua maior dificuldade para formação de ligação peptídica, no entanto, nem todas sequências ricas em prolina parecem requerer EF-P/eIF5A para sua tradução e a razão para outras sequências de 3 ou mais resíduos de amino ácidos requererem EF-P/eIF5A ainda não está elucidada. Resultados anteriores de nosso laboratório demonstraram que o stalling causado por sequências dependentes de eIF5A não parecerem acionar o complexo de Ribosome Quality Control (RQC). Este complexo atua para resolver outros eventos de stalling causados por clivagem prematura do mRNA ou ausência de códon de terminação, por exemplo. Por outro lado, a depleção de eIF5A afetou diretamente o funcionamento do complexo RQC. Desta forma, este projeto visa confirmar e ampliar os dados preliminares de nosso laboratório, determinando como eIF5A afeta o funcionamento de RQC, mais especificamente, quanto à atividade de Rqc2 no 60S, que leva à formação de ligações peptídicas entre alaninas e treoninas de forma independente de mRNA e 40S.