Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel de Tribbles 3 na regeneração muscular esquelética

Processo: 18/24418-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 30 de junho de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Anatomia
Pesquisador responsável:Anselmo Sigari Moriscot
Beneficiário:Wenddy Wyllie Damascena Sougey
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/04090-0 - Identificação e caracterização de mecanismos envolvidos no controle de massa e regeneração do músculo estriado esquelético, AP.TEM
Assunto(s):Músculo esquelético   Regeneração muscular   Expressão gênica   MicroRNAs   Modelos animais

Resumo

O tecido muscular esquelético possui além de função locomotora, funções endócrinas e de armazenamento energético, tendo grande importância para a atividade de vida diária e qualidade de vida. Por ser intensamente recrutado, é bastante suscetível a lesões que podem comprometer os componentes teciduais e em longo prazo causar déficit funcional para o organismo. Para que isso não ocorra, esse tecido possui capacidade plástica regenerativa, através principalmente de células miogênicas denominadas de satélites. Após uma lesão, o músculo esquelético passa pelas fases inflamatória, proliferativa e de remodelamento das fibras, conferindo a este tecido grande capacidade de regeneração. Estudos anteriores do nosso grupo (dados não publicados) evidenciaram aumento da expressão do gene TRIB3 durante o processo atrófico muscular. Sua participação no metabolismo muscular esquelético ainda é muito pouco elucidada e está relacionado à diminuição na formação de miotubos. Desta forma, este trabalho tem como objetivo investigar o papel do TRIB3 sobre o processo regenerativo. Mais especificamente, caracterizar a localização do TRIB3 na fibra muscular saudável e em regeneração, além de sua predominância em tipos diferentes de fibras musculares, analisar a participação do TRIB3 na diferenciação celular C2C12, na regeneração muscular após lesão por cardiotoxina em camundongos TRIB3-knockout, camundongos Nude e Camundongos hiperexpressando o TRIB3. Também objetivamos investigar a regulação do gene em questão através da análise e validação de microRNAs potencialmente reguladores. (AU)