Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo do potencial hipocolesterolemiante e antioxidante da própolis verde e da fração rica em Artepelin C in vitro e em modelo de hipercolesterolemia induzida por dieta em cobaias (Cavia porcellus)

Processo: 17/01618-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 31 de outubro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacognosia
Pesquisador responsável:Jairo Kenupp Bastos
Beneficiário:Aline Mayrink de Miranda
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/04138-8 - Realização de estudos químicos, analíticos, biológicos, farmacológicos e tecnológicos para preenchimento das lacunas no desenvolvimento do setor de própolis brasileiro, AP.TEM
Assunto(s):Anticolesterolemiantes   Antioxidantes   Própolis   Compostos bioativos   Hipercolesterolemia   Artepelin C   Cobaias   Caviidae   Análise de variância

Resumo

A própolis verde tem sido considerada uma importante fonte de compostos bioativos com potenciais benefícios à saúde. Este composto vem se destacando no mercado internacional devido às suas diversas propriedades biológicas e à presença de compostos prenilados como o Artepelin C, ao qual tem sido atribuída várias propriedades terapêuticas tais como anticâncer, anti-inflamatória, antioxidante e antidiabética. Nesta perspectiva, no presente estudo propõe-se investigar o efeito do extrato hidroalcoólico da propólis verde e de sua fração rica em Artepelin C sobre o metabolismo de lipídios, estresse oxidativo, marcadores inflamatórios e adiposidade em cobaias hipercolesterolêmicas. Para tanto, será realizada a caracterização in vitro da propólis verde (extrato hidroalcoólico e fração rica em Artepelin C) e a investigação dos possíveis efeitos biológicos decorrentes de sua suplementação à dieta hipercolesterolemiante. Para o ensaio biológico, serão utilizadas 90 cobaias Cabia porcellus (machos), distribuídas em 15 grupos (6 animais/grupo). O extrato hidroalcoólico, a fração rica em Artepelin C e a Sinvastatina (controle positivo) serão administrados via gavagem orogástrica. Dieta e água serão oferecidas ad libitum aos animais durante todo período experimental. Após oito semanas de experimentação, os animais serão anestesiados e eutanasiados. Amostras de sangue e o tecido hepático serão coletados para as análises bioquímicas, para a histopatologia e para a expressão gênica. Os dados serão avaliados por meio da análise de variância univariada (One-way ANOVA). Espera-se que este estudo traga novas perspectivas quanto ao uso da própolis verde em patologias como a Aterosclerose, por exemplo, e propicie o desenvolvimento de novos medicamentos. (AU)