Busca avançada
Ano de início
Entree

Material particulado atmosférico: internalização de nanopartículas metálicas em célula pulmonar humana (in vitro) utilizando nanosims para imagens e medições a nível subcelular

Processo: 18/25691-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 29 de abril de 2019
Vigência (Término): 28 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Marisa Narciso Fernandes
Beneficiário:Iara da Costa Souza
Supervisor no Exterior: Peta Clode
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Western Australia (UWA), Austrália  
Vinculado à bolsa:16/25257-2 - Internalização de nano partículas metálicas presentes no material particulado atmosférico em células de pulmão humano, BP.PD
Assunto(s):Internalização   Nanopartículas metálicas   Material particulado   Metais   Sistema respiratório   Tubarão (SC)

Resumo

O Brasil é um dos maiores produtores de ferro do mundo, com alta produtividade industrial em mineração de ferro, ferro, aço e processos metalúrgicos. A maioria dessas atividades emitem uma fumaça metálica que pode conter vários metais do processo de produção e do minério original. Na busca por diferentes ligas, a maioria das indústrias desenvolveu ligas metálicas com compostos que não têm limite na legislação vigente, como bismuto, titânio, zircônio, tungstênio, ítrio e outros compostos metálicos emergentes. O Complexo de Tubarão, localizado na Grande Vitória, ES, possui reconhecida emissão de material particulado atmosférico (MPA) contaminado com metais desse processo, no qual já foram encontrados diversos contaminantes metálicos emergentes. Estes metais são dispersos na atmosfera e podem internalizar passivamente o pulmão humano através do sistema respiratório. Propomos avaliar e identificar a internalização de nanopartículas metálicas presentes no MPA das indústrias de minério de ferro, pelotização e siderurgia presentes no Complexo de Tubarão, em células de pulmão humano. Técnicas analíticas e morfológicas em nanoescala como microscopia nanométrica utilizando o NanoSIMS serão aplicadas para identificar nanopartículas metálicas não essenciais emergentes no nível subcelular e avaliar sua internalização mesmo em baixas concentrações no qual o HRTEM não sozinho não é capaz de analisar. Considerando a baixa concentração desses metais emergentes no material particulado e sua internalização nas células do pulmão humano e a ação celular será possível avaliar sua biodisponibilidade e quais processos biológicos essas partículas podem afetar. (AU)