Busca avançada
Ano de início
Entree

Síntese e caracterização estrutural de nanopartículas CuO para aplicação em fotocatálise heterogênea

Processo: 18/21388-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Materiais Não-metálicos
Pesquisador responsável:Higor Rogerio Favarim
Beneficiário:Rafael Fabri Chimidt
Instituição-sede: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus Experimental de Itapeva. Itapeva , SP, Brasil
Assunto(s):Materiais cerâmicos   Nanopartículas   Caracterização estrutural   Óxido de cobre   Fotocatálise heterogênea

Resumo

Dentro da família dos óxidos metálicos, nanopartículas de óxido de cobre (CuO) tem chamado bastante atenção pelo fato de ser um semicondutor com estreita largura de banda (1,2 - 1,5 eV), além de poder ser sintetizado em diferentes morfologias e tamanhos o que permite sua aplicação nas mais diversas áreas como células solares, sensores, aplicações óticas e propriedades catalíticas, sendo apenas algumas das inúmeras aplicações. Trabalhos recentes mostram claramente a correlação do tamanho de partícula e da morfologia obtida com as propriedades catalíticas associadas à degradação de estruturas biológicas e quimicamente estáveis, contudo, em muitos trabalhos as nanopartículas apresentam alto custo de produção ou com rotas de síntese prejudiciais ao meio ambiente. Com a finalidade de contribuir para o desenvolvimento de uma rota de síntese a partir de reagentes de baixo custo este projeto tem como principal objetivo a síntese e caracterização de nanopartículas de CuO a partir do método sol-gel proteico, e sua aplicação como fotocalisador no processo de degradação de corantes e rejeitos industriais. Parâmetros como temperatura de calcinação, pH da síntese, concentração de nanopartícula/material a ser degradado e a radiação utilizada (UV e visível) serão analisados. As nanopartículas serão caracterizadas por DRX e MEV quanto à sua estrutura e morfologia e o processo de degradação será monitorado por absorção ótica (UV-Vis).