Busca avançada
Ano de início
Entree

Existe barreira de isolamento reprodutivo entre os diferentes citótipos de Triatoma sordida (Stal, 1859) (Hemiptera, Triatominae)?

Processo: 18/24116-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2019
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Pesquisador responsável:Kaio Cesar Chaboli Alevi
Beneficiário:Luiza Maria Grzyb Delgado
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Citogenética   Cruzamentos genéticos   Especiação genética   Polimorfismo genético   Triatominae   Triatoma   Isolamento reprodutivo

Resumo

Triatoma sordida é uma das principais espécies com competência vetorial para a transmissão da doença de Chagas no Brasil. Diversos estudos sinalizam polimorfismo em T. sordida, o que levou a sugestão do fenômeno de especiação críptica nessa espécie. Estudos citogenéticos com Bandamento C e Hibridização Fluorescente in situ (FISH) demonstraram a presença de três citótipos que, possivelmente, representam diferentes táxons: citótipo I, denominado como T. sordida sensu stricto, com heterocromatina em todos os autossomos e sonda de DNAr 45S no cromossomo sexual X, citótipo II, designado como T. sordida Argentina, com ausência de heterocromatina nos autossomos e marcação de FISH nos cromossomos sexuais X e Y e citótipo III, alcunhado como T. sordida La Paz, com heterocromatina em todos os autossomos e marcação em um par de autossomos. Levando em consideração que a realização de cruzamentos experimentais pode auxiliar em diferentes aspectos, como no entendimento da taxonomia, sistemática e dos mecanismos de isolamento que limitam o fluxo gênico, assim como possibilita avaliar o papel da hibridação natural na geração de novas variantes genéticas, o presente projeto tem como objetivo analisar as possíveis barreiras de isolamento reprodutivo (pré ou pós-zigóticas) presente entre os três citótipos de T. sordida, por meio de cruzamentos experimentais e análise dos híbridos resultantes até a segunda geração (F2), com ênfase na análise da dinâmica evolutiva dos cruzamentos experimentais, bem como na análise da viabilidade reprodutiva dos híbridos (espermatogênese e morfologia das gônadas masculinas e femininas). Esses resultados permitirão elucidar questões evolutivas e taxonômicas sobre T. sordida e o processo de especiação críptica.