Busca avançada
Ano de início
Entree

A importância da L-glutamina e da enzima glutamina sintetase na proliferação de formas sanguíneas de Trypanosoma brucei e a participação na biossíntese de VSG

Processo: 18/22849-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2019
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Ariel Mariano Silber
Beneficiário:Flávia Silva Damasceno
Supervisor no Exterior: David Mark Carrington
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Cambridge, Inglaterra  
Vinculado à bolsa:17/04808-3 - A relevância do metabolismo de glutamina na biologia celular e bioenergética de Trypanosoma Cruzi e Trypanosoma brucei, BP.PD
Assunto(s):Glutamina

Resumo

O Trypanosoma brucei é o agente causador da Tripanossomíase Humana Africana (HAT), também conhecida como doença do sono. Estima-se que aproximadamente 65 milhões de pessoas vivem em áreas de risco de infecção na África Subsaariana. Os tripanossomas escapam da resposta imune dos mamíferos usando uma estratégia de sobrevivência da população para manter uma infecção a longo prazo. Essa estratégia consiste na troca do revestimento de superfície da membrana pelo parasita. A membrana plasmática é revestida por uma único tipo de glicoproteína conhecida como glicoproteína de superfície variante (VSG) por vez. As VSGs são ancoradas às membranas celulares pelas âncoras de glicoconjugados glicosilfosfatidilinositol (GPI) e são geralmente glicosiladas. Na biossíntese de GPI, o primeiro passo é a adição de glucosamina, de um doador UDP-N-acetilglucosamina (UDP-GlcNAc), um fosfatidilinositol endógeno. A glutamina (Gln) é um dos substratos para a enzima glutamina: frutose-6-fosfato aminotransferase (GF6PA, EC 2.6.1.16), o primeiro passo da via de biossíntese de hexosaminas. A nossa hipótese é que a Gln participa da biossíntese das GPIs, que são necessárias para a expressão e troca de VSGs na membrana do parasita, e, portanto, indiretamente envolvidas no mecanismo principal de evasão imune utilizado pelo T. brucei. O principal objetivo desse projeto é avaliar o papel da Gln na biossíntese e troca das VSGs, sob a hipótese de que a interrupção da biossíntese e/ou transporte de Gln pelo parasita poderá afetar ambos os processos pela limitação da biossíntese de GPI e consequentemente a expressão e troca das VSGs. A confirmação de que a biossíntese e/ou o transporte de Gln são críticos para a síntese e troca de VSGs, principal mecanismo de evasão do sistema imune do hospedeiro mamífero utilizado pelo parasita, poderia ser proposto como novo candidato a alvo terapêutico para direcionamento de novos fármacos para a quimioterapia.