Busca avançada
Ano de início
Entree

Prospecção de novos epítopos com potencial vacinal no controle da infecção experimental por Histoplasma capsulatum

Processo: 18/26402-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2019
Vigência (Término): 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Carlos Pelleschi Taborda
Beneficiário:Brenda Kischkel
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/08730-6 - Patogenicidade fúngica: efeito do tabagismo, resposta imune e a modulação vacinal na paracoccidioidomicose e na histoplasmose, AP.TEM
Assunto(s):Micologia   Histoplasmose   Epitopos   Vacinas

Resumo

A Histoplasmose é considerada a infecção fúngica respiratória mais comum com distribuição mundial causada pelo fungo Histoplasma capsulatum. Este fungo é considerado um patógeno primário, uma vez que não infectam apenas indivíduos imunocomprometidos, mas também é capaz de colonizar indivíduos imunocompetentes. Ao considerar a AIDS e as micoses sistêmicas endêmicas como condições associadas, a Histoplasmose é responsável por 10,1% das causas de mortes. As formas de tratamento disponíveis atualmente para Histoplasmose e demais infecções fúngicas sistêmicas são drogas como a anfotericina B e o itraconazol, muitas vezes eficientes no tratamento. Contudo, esses pacientes precisam ser submetidos a longos períodos de tratamento que podem interferir na qualidade de vida devido a efeitos colaterais significativos decorrentes da alta toxicidade desses antifúngicos e interação com outras drogas. Além disso, recidivas da doença são frequentemente relatados. Neste estudo partimos do princípio de que o sistema imunológico é essencial para garantir bons resultados no tratamento de infecções fúngicas, uma vez que em pacientes imunossuprimidos a vacinação terapêutica ou profilática pode estimular o sistema imunológico. Modelos vacinais já foram desenvolvidos para Histoplasmose, Aspergilose, Candidíase, Criptococose, Coccidioidomicose, no entanto, ainda não existe uma vacina que demonstra uma boa eficácia. Neste contexto, o nosso estudo visa ampliar o conhecimento e estabelecer novas ferramentas para desenvolvimento de vacinas terapêuticas, pautados na seleção de novos epítopos derivados de H. capsulatum. Levando assim, a obtenção de um produto mais seletivo para a célula fúngica e mais eficiente no combate a infecção com redução do período de tratamento e prevenção de recidivas da doença. (AU)