Busca avançada
Ano de início
Entree

Predizendo a troca de espécies em áreas úmidas amazônicas pelas características ecológicas e evolutivas das espécies

Processo: 18/23532-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 15 de abril de 2019
Vigência (Término): 14 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Clarisse Palma da Silva
Beneficiário:Bruno Garcia Luize
Supervisor no Exterior: Simon Ferrier
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Local de pesquisa : Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO), Austrália  
Vinculado à bolsa:15/24554-0 - O papel das planícies de inundação na origem e manutenção da diversidade de espécies arbóreas na Amazônia, BP.DR
Assunto(s):Biodiversidade

Resumo

Biodiversidade é um bem comum de interesse global. Sem dúvidas, muito da vida no planeta é ameaçado tanto por ações humanas locais como por ações globais. O acentuado aumento na perda da biodiversidade não é acompanhado por nossa compreensão e entendimento da distribuição e evolução da biodiversidade. A variação na distribuição de espécies pode causar dissimilaridade na composição de espécies entre manchas de floresta. Modelos generalizados de dissimilaridade (GDM) são indicados como uma técnica estatística para analisar e predizer o padrão especial de troca na composição de espécies entre comunidades, desde 2007 quando os autores propuseram o GDM, cerca de 400 artigos científicos já aplicaram esta abordagem. GDM relaciona dados bióticos e abióticos (i.e., dissimilaridade na composição de espécies e variáveis descritoras das condições ambientais). A pesquisa que proponho conduzir durante meu intercambio na Universidade Nacional da Austrália (ANU) objetiva aplicar os modelos GDM para compreender o padrão de dissimilaridade na composição de espécies arbóreas nas florestas de planície de inundação da Amazônia Central e o papel que os gradientes ambientais têm na geração deste padrão. Durante 2008-2013, eu realizei amostragem em 43 parcelas de inventários florestais em planícies de inundação ao longo do curso principal do rio Amazonas. Esta amostragem resultou no reconhecimento de cerca de 400 espécies de árvores e informações do regime de inundação de cada parcela onde estas espécies foram registradas. Para implementar as análises eu irei calcular uma matriz de dissimilaridade florística entre os pares de parcelas, irei ajustar funções de I-spline para três diferentes gradientes ambientais que definem as parcelas amostradas e as diferenças absolutas entre estes valores I-spline para os pares de parcelas. Com este estudo eu espero gerar um mapa predizendo a variação composicional das florestas alagáveis na Amazônia Central, o mapa poderá ser facilmente aplicado por tomadores de decisões e analistas de conservação. Propomos ainda a produção de um artigo científico abordando o papel dos gradientes ambientais no direcionamento da dissimilaridade florística entre as manchas de florestas de várzea. A oportunidade de realizar este estágio vai contribuir para minha pesquisa em biodiversidade uma vez que eu irei aprender uma nova e robusta analise diretamente com o pesquisador que desenvolveu o método e eu irei ter a oportunidade de produzir um dos capítulos propostos em meu projeto de doutorado.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.