Busca avançada
Ano de início
Entree

Adaptações morfológicas de plantas ao ambiente montano da Cadeia do Espinhaço: Tibouchina (Melastomataceae) como estudo de caso

Processo: 18/24858-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2019
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica
Pesquisador responsável:Thais Nogales da Costa Vasconcelos
Beneficiário:Mirian de Camargo Andrade Antonicelli
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Filogenia   Biodiversidade   Evolução vegetal   Tibouchina   Ecossistemas de montanha   Montanhas

Resumo

Ambientes montanos são áreas de grande diversidade de espécies de plantas nos quais observa-se que espécies simpátricas não relacionadas possuem adaptações morfológicas semelhantes decorrentes de convergência evolutiva. Isso acontece com a flora montana da Cadeia do Espinhaço, um ambiente xérico e montanhoso de grande biodiversidade no leste do Brasil. Esse projeto propõe investigar tal convergência de caracteres por meio da análise do contexto evolutivo de um clado de Tibouchina (Melastomataceae), que possui variação evidente de caracteres vegetativos, e distribuição exclusiva ao leste do Brasil, com vários eventos independentes de colonização da Cadeia do Espinhaço. Para investigar esse padrão, coletaremos dados de seis caracteres contínuos e de seis caracteres discretos a partir de material herborizado de 61 espécies desse clado (c. 55% do total), incluindo 19 que ocorrem na Cadeia do Espinhaço. Além disso, anotaremos dados de altitude e se a espécie ocorre em ambiente mésico ou xérico, a fim de testar qual dessas duas variáveis ambientais é mais significativa na seleção desses caracteres, usando métodos comparativos filogenéticos. Analisaremos os dados morfológicos em um contexto de filo-morfoespaço, evidenciando convergências no espaço morfológico e especialização ao longo do tempo. Também utilizaremos reconstrução de caracteres ancestrais a fim de observar quais caracteres individuais apareceram primeiro na evolução do grupo nos momentos em que uma cada linhagem colonizou a Cadeia do Espinhaço. Os resultados serão discutidos no contexto de adaptações de plantas a ambientes montanos e extremos e serão disponibilizados em bancos de dados de caracteres funcionais online, a fim de ficarem disponíveis para outros estudos futuros.