Busca avançada
Ano de início
Entree

Aplicação de nanoemulsões com óleos essenciais como revestimentos naturais para aplicação na conservação pós-colheita de morangos

Processo: 18/24612-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2019
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Engenharia Agrícola - Engenharia de Processamento de Produtos Agrícolas
Pesquisador responsável:Marcos David Ferreira
Beneficiário:Josemar Gonçalves de Oliveira Filho
Instituição-sede: Embrapa Instrumentação Agropecuária. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Morango   Óleos essenciais

Resumo

Os revestimentos comestíveis, incluindo substâncias ativas, podem ser usados como uma alternativapara preservar frutas e legumes durante a pós-colheita. Os óleos essenciais (OEs) exibem atividadeantimicrobiana e por essa característica tem sido propostos como agentes fungicidas naturais. O usode nanoemulsões, como um método para dispersar agentes bioativos, está emergindo como umaferramenta potencial para projetar novos revestimentos com ótima funcionalidade. Neste contexto,objetiva-se avaliar o potencial de OEs como fungicidas naturais e sua presença em revestimentosnanoestruturados para aplicação na manutenção da qualidade e conservação pós-colheita demorangos, como proposta de uso de agentes naturais de origem vegetal como materiais ativos pararecobrimento de frutas. Os OEs das espécies Hortelã-verde (Mentha spicata), Hortelã-pimenta(Mentha x piperita), Palmarosa (Cymbopogon martinii) e Pau-rosa (Aniba rosaeodora) serão obtidoscomercialmente, as composições químicas serão avaliadas por CG-SM e CG-FID, e a atividadeantifúngica, em análises in vitro para os principais fungos pós-colheita de morango. Revestimentoscompostos serão produzidos utilizando hidroxipropilmetilcelulose (HPMC), cera de carnaúbananoemulsionada e nanocristais de celulose e serão incorporadas com o OE que apresentar a maioratividade antifúngica nos testes in vitro. As combinações de revestimento e OE que apresentar asmelhores propriedades de barreira e atividade antifúngica será testada in vivo. Inicialmente, seráestudado o efeito dos revestimentos com OE no controle de Rhizopus stolonifer e Botrytis cinerea emmorangos infectados a fim de avaliar o efeito dos revestimentos no controle de doenças pós-colheita.Em seguida, morangos serão revestidos e avaliados durante o armazenamento (0, 2, 4, 6, 8, 10 e 12dias) em relação ao teor de sólidos solúveis, pH, acidez titulável, índice de maturação, perda de massa,firmeza, taxa de respiração, coloração, teor de antocianinas, fenóis totais, atividade antioxidante,contagem de fungos totais, bactérias mesófilas aeróbias, bactérias coliformes, deterioração fúngicavisual, perfil de voláteis dos morangos por CG-SM e a aceitação sensorial utilizando escala de novepontos.