Busca avançada
Ano de início
Entree

Teste de flexão craniocervical em mulheres com migrânea associada ou não a cervicalgia

Processo: 18/21687-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Débora Bevilaqua Grossi
Beneficiário:Amanda Rodrigues
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/18031-5 - Estudo da associação de aspectos clínicos, funcionais e de neuroimagem em mulheres com migrânea, AP.TEM
Assunto(s):Sistema musculoesquelético   Transtornos de enxaqueca   Enxaqueca sem aura   Cervicalgia   Reabilitação (terapêutica médica)   Mulheres

Resumo

A migrânea é uma cefaleia primária crônica e incapacitante, na qual, os pacientes apresentam frequentemente dor cervical crônica, além de diversas disfunções musculoesqueléticas cervicais. Sabe-se que os pacientes migranosos demonstram um pior desempenho na avaliação clínica da função dos músculos flexores cervicais profundo, mas não está estabelecido se este desempenho está relacionado à presença da cervicalgia. O objetivo desse estudo é verificar o desempenho no teste de flexão craniocervical na função dos músculos flexores cervicais profundo em migranosos e verificar se o resultado está associado à migrânea, à dor cervical crônica ou a ambas condições. Serão avaliadas 100 mulheres na faixa de 18 a 55 anos subdivididas em quatro grupos, sendo: Grupo 1= Pacientes com migrânea sem dor cervical crônica; Grupo 2= Pacientes com migrânea com dor cervical crônica; Grupo 3= Indivíduos com dor cervical crônica e Grupo 4= Indivíduos controle. As pacientes serão submetidas à avaliação dos músculos flexores profundos da região cervical por meio do Teste de Flexão Craniocervical e responderão aos questionários Migraine Dissability Assessement (MIDAS) e ao Índice de Incapacidade Relacionada à Dor no Pescoço (IIRP). Nossos resultados poderão elucidar o papel da dor cervical em pacientes com migrânea no desempenho dos músculos cervicais e colaborar para a avaliação e tratamento destes pacientes.