Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação da expressão dos marcadores GFAP, iba-1 e parvalbumina no córtex pré-frontal de ratos do modelo MAM

Processo: 18/22142-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2019
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Cristiane Otero Reis Salum
Beneficiário:Ana Caroline Lopes Rocha
Instituição-sede: Centro de Matemática, Computação e Cognição (CMCC). Universidade Federal do ABC (UFABC). Ministério da Educação (Brasil). Santo André , SP, Brasil
Assunto(s):Esquizofrenia   Córtex pré-frontal

Resumo

A esquizofrenia possui causas ainda desconhecidas, embora possam estar relacionadas com a hiperfunção dopaminérgica e uma hipofunção glutamatérgica, além de uma possível relação com uma neuroinflamação. Apesar de possuir origem imprecisa, há hipóteses sobre o neurodesenvolvimento deficiente levando a modelos animais baseados em intervenções durante esta fase. Um destes modelos é o tratamento com o acetato de metilazoximetanol (MAM), que consiste na injeção desta neurotoxina no 17º dia de gestação de ratas Wistar, causando prejuízos no neurodesenvolvimento dos filhotes. Em sua fase adulta, estes animais apresentam prejuízos comportamentais e alterações neuroquímicas que se assemelham aos sintomas da esquizofrenia, incluindo a perda de interneurônios parvalbumina positivos (PV+). Em estudos recentes de nosso laboratório, o antioxidante N-acetil-L-cisteína (NAC) foi capaz de reverter déficits comportamentais causados pelo modelo MAM. Adicionalmente, o tratamento sub-crônico com o precursor do óxido nítrico, l-arginina, reverteu os efeitos benéficos do NAC. Assim, o presente estudo pretende investigar: i) as expressões dos marcadores gliais (GFAP- astrócitos e Iba-1- microglia) e de PV+ no córtex pré-frontal de ratos MAM, tratados com NAC ou salina por 15 dias. Pretende-se testar tanto a hipótese inflamatória no modelo MAM como a eficácia do tratamento com NAC em reverter as disfunções causadas neste modelo. Caso sejam detectadas alterações causadas pelo NAC, será investigado se o tratamento sub-crônico com a L-arginina (5 dias) reverte tais alterações, de acordo com os resultados comportamentais observados.