Busca avançada
Ano de início
Entree

Comunidade mesozooplanctônica do canal Valo Grande, Iguape, litoral sul do Estado de São Paulo

Processo: 18/22995-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2019
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Pesquisador responsável:Giovana Bertini
Beneficiário:Daniele Fatima Bastos de Freitas
Instituição-sede: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Registro. Registro , SP, Brasil
Assunto(s):Distribuicão   Vale do Ribeira (SP)   Zooplâncton   Diversidade   Estuários

Resumo

Estudos sobre as comunidades zooplanctônicas podem contribuir para um melhor entendimento das inter-relações do zooplâncton com o meio, além de servirem como base para estimativa da produtividade dos ambientes estuarinos. O propósito deste projeto é determinar a composição, a abundância e a distribuição temporal da comunidade mesozooplanctônica do Canal Valo Grande, região estuarina do Rio Ribeira de Iguape, Iguape, SP. As amostras do plâncton foram obtidas durante a realização do projeto "Diversidade e distribuição espaço-temporal de larvas e adultos de camarões carídeos no curso inferior da bacia do Rio Ribeira de Iguape (SP)" com auxílio da FAPESP (# 2013/06457-2) no período de junho/14 a julho/15. Para a realização deste projeto de IC serão utilizadas as amostras coletadas no Canal Valo Grande, compreendendo três pontos paralelos no rio (margem esquerda, margem direita e meio). Foram efetuados arrastos horizontais de 10 min na sub-superfície da coluna d'água no período de maré vazante de lua cheia, com auxílio de uma rede de plâncton cônica de 1 m de comprimento, 0,50 m de diâmetro da abertura da boca e malha de 250 ¼m, com um fluxômetro acoplado no centro da boca. Adicionalmente, mensalmente foram anotados alguns fatores abióticos da água de fundo e de superfície. Para a identificação e contagem do mesozooplâncton, subamostras de 5 ml, sem reposição, serão analisadas até ser contabilizado um total de 30 indivíduos de cada táxon. Posteriormente, será estimada a densidade total de cada táxon na amostra (indivíduos.m3) em função do total de água filtrada. Serão analisados a frequência de ocorrência, riqueza, diversidade e equidade dos táxons presentes no plâncton, além de serem efetuadas análises multivariadas para a caracterização da comunidade mesozooplanctônica.