Busca avançada
Ano de início
Entree

Anacronismos: as imagens do tempo em Dom Quixote de la mancha

Processo: 18/10447-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2019
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - Teoria e Filosofia da História
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Hélio Rebello Cardoso Júnior
Beneficiário:Caio Vinicius Russo Nogueira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/09759-6 - Heterocronismos: as imagens do tempo em Don Quijote de la mancha, BE.EP.MS
Assunto(s):História da arte   Tempo

Resumo

É a partir do diálogo entre Estética Contemporânea, História da Arte e História das Emoções, sobretudo na perspectiva da Teoria das Imagens de Georges Didi-Huberman, apoiada pelo pensamento estético contemporâneo de Jacques Rancière, Gilles Deleuze, Aby Warburg, Walter Benjamin, Theodor W. Adorno e outros, que procuramos compreender como a obra de Cervantes nos revela um conjunto temporal complexo que não se reduz a sua própria época, montando e remontando temporalidades diversas: medievais e, simultaneamente, modernas. Isso nos possibilitará, por sua vez, entender as sobrevivências e modificações das relações de temporalidade - escatológica, por um lado, e infinita, por outro - como modelo sintomal da profunda articulação entre uma imagem cosmos (medieval), e uma imagem mundos (barroca), delineadas na angústia quixotesca em relação ao tempo. A pesquisa busca entender, portanto, como Dom Quixote pode ser lido não apenas como crítica irônica ao atraso da sociedade cavaleiresca na Espanha do século XVI, mas, também, como sintoma de uma modificação histórica das emoções que se expressa, de modo singular, em certa imagem dialética imanente à obra Dom Quixote: síntese disjuntiva da angústia medieval e moderna, em que reminiscências, apagamentos, retornos e saltos, constituem a multiplicidade temporal de um tempo histórico necessariamente não-linear.