Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da transmissão do vírus da diarréia viral bovina pela via transplacentária em leitoas gestantes inoculadas experimentalmente

Processo: 18/20841-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2019
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Pesquisador responsável:Luís Guilherme de Oliveira
Beneficiário:Beatriz Belloni Zambotti
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Suínos

Resumo

O sistema de produção suinícola tem passado por intensas mudanças e tecnificações, com objetivo de otimizar o processo produtivo e fomentar as demandas do mercado mundial no que diz respeito a geração de proteína animal, já que é o Brasil é o 4º maior importador e exportador de carne suína. No entanto, em associação com a intensificação da produção, surgem cada vez mais novos desafios que interferem na cadeia produtiva, como o aparecimento de doenças devido a superlotação de animais ou o manejo inadequado em algumas fases de crescimento.Algumas das ações de defesa sanitária animal implantadas no Brasil foi o incentivo a prevenção, controle e erradicação de doenças listadas pela organização mundial de saúde (OIE), na qual o vírus da diarreia viral bovina (BVDV) foi incluído apenas em 2012. Maiores informações e divulgação sobre a ação deste vírus torna-se necessário, pois a infecção causada por ele é praticamente desconhecida na suinocultura.A infecção causada pelo vírus da peste suína clássica (CSFV), por exemplo, é uma enfermidade de notificação obrigatória, e como o vírus pertence à mesma família que o vírus da diarreia viral bovina (BVDV), são geneticamente e antigeneticamente relacionados. Por compartilharem tais estruturas antigênicas comuns, os testes sorológicos utilizados para detectar CSFV podem reagir de forma cruzada com anticorpos contra BVDV, resultando em reações falso-positivos, podendo interferir nos programas oficiais de monitoramento da doença. Tendo em vista as informações levantadas na literatura, este projeto visa avaliar a capacidade de transmissão transplacentária do BVDV-2 em fêmeas suínas inoculadas experimentalmente no terço final de gestação. Para este fim, serão utilizadas 8 fêmeas da raça Large White, de linhagem comercial, nulíparas e provenientes de empresa especializada. O grupo inoculado será composto por seis fêmeas (G1; n=6), e o grupo controle por duas fêmeas (G2; n=2). Amostras de sangue leitões serão coletadas nos dias 0, 7, 14 e 21, sendo que no dia 0 a coleta será feita antes da ingestão do colostro. O sangue será depositado em tubos estéreis, com EDTA, para obtenção do sangue total; e em tubos livres de anticoagulantes para obtenção de soro sanguíneo. Amostras de sangue total, umbigo e placenta coletados serão destinados a RT-PCR, enquanto o soro, para virusneutralização.A hipótese é de que a inoculação com o vírus no final da gestação leve à transmissão transplacentária do mesmo, fazendo com que os leitões nascidos apresentem viremia ou anticorpos contra o agente antes da ingestão do colostro.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.