Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação das características etiológicas, clínicas e epidemiológicas de casos de meningites, encefalites e meningoencefalites atendidos no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Processo: 19/01475-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de março de 2019
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Maria Cássia Jacintho Mendes Corrêa
Beneficiário:Heuder Gustavo Oliveira Paião
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/10264-6 - Avaliação das características etiológicas, clínicas e epidemiológicas de casos de meningites, encefalites e meningoencefalites atendidos no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, AP.R
Assunto(s):Etiologia   Doenças transmissíveis   Meningite   Encefalite   Meningoencefalite   Controle de doenças   Técnicas e procedimentos diagnósticos

Resumo

Meningites e encefalites adquiridas na comunidade são síndromes de grande morbidade e mortalidade. A maioria dos quadros de meningites e encefalites é de origem infecciosa, e as infecções virais constituem a principal etiologia envolvida. No entanto, as infecções bacterianas, fúngicas, parasitárias, assim como causas não infecciosas, apesar de menos frequentes, são muito importantes, devido à sua potencial gravidade e necessidade de urgente intervenção medicamentosa específica. Em todo o mundo, significativa porção de pacientes com meningites (15 a 60%) ou encefalites (40 a 70%) não têm a identificação do agente etiológico envolvido nessas situações. A principal barreira ao diagnóstico etiológico é a dificuldade de acesso a testes diagnósticos rápidos. No entanto, o correto manejo clínico destes pacientes depende enormemente do rápido diagnóstico etiológico específico. Falhas no diagnóstico determinam não só aumento da morbidade e mortalidade como um todo, assim como são responsáveis por tratamentos desnecessários e eventos adversos potencialmente evitáveis. Estima-se que problemas neurológicos, cognitivos, comportamentais causados por estas infecções provavelmente afetem a milhões de crianças e adultos em todo o mundo, particularmente em países de baixa e média renda. No entanto, particularmente nestas regiões do mundo, incluindo o Brasil são escassas as informações referentes à morbidade e patogênese das infecções do sistema nervoso central. No Brasil, são escassos os dados relativos ao perfil etiológico dos quadros de infecção aguda do SNC. Na atualidade, frente a quadros de meningites ou encefalites não bacterianas, na ausência de métodos diagnósticos disponíveis nos serviços de emergência do Estado de São Paulo, a introdução às cegas de terapia antiviral com aciclovir, buscando tratar infecções causadas por herpes vírus ou terapia empírica para tuberculose é a rotina. Diante da importância do tema em questão e da paucidade de informações relativas ao perfil etiológico destas infecções é que propomos a realização do presente estudo, que tem como objetivo contribuir para o esclarecimento do perfil de agentes envolvidos nas infecções de SNC em nosso meio. Acreditamos que a definição deste perfil etiológico nos possibilitará propor um algoritmo de conduta frente a infecções agudas de SNC, mais adequado às nossas necessidades. Na atualidade, na ausência de definição dos agentes etiológicos dessas graves afecções, a rotina é a hospitalização prolongada desses pacientes e a utilização de medicação empírica, muitas vezes ineficiente. A possibilidade da construção desse algoritmo diagnóstico, deverá contribuir para a otimização dos esquemas terapêuticos atualmente utilizados, no sentido de evitar-se o emprego de tratamentos muitas vezes desnecessários, ineficazes, onerosos e potencialmente associados a importantes eventos adversos. Deverá também contribuir para melhorar o sucesso terapêutico dessas afecções e consequentemente minorar as importantes sequelas a elas relacionadas. Além disso, o esclarecimento relativo a estes agentes infecciosos poderá adicionalmente orientar intervenções mais específicas, como uso de vacinas ou controle de vetores, o que também poderá contribuir para melhor controle dessas afecções em nosso meio.