Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação e quantificação de genes de resistência a antimicrobianos no microbioma de aves marinhas de vida livre do Brasil: como impactos antropogênicos afetam esses parâmetros?

Processo: 18/25885-9
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 07 de abril de 2019
Vigência (Término): 06 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Jose Luiz Catao Dias
Beneficiário:Ana Carolina Ewbank
Supervisor no Exterior: Fernando Esperon Fajardo
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Instituto Nacional de Investigación y Tecnología Agraria y Alimentaria (INIA), Espanha  
Vinculado à bolsa:16/20956-0 - Identificação e quantificação dos genes de resistência a antimicrobianos no microbioma de aves marinhas do litoral Sul-Sudeste do Brasil, BP.DR
Assunto(s):Técnicas de diagnóstico molecular   Meca

Resumo

A emergência das resistências a antimicrobianos é considerada uma ameaça para a saúde humana e animal. A contaminação ambiental por antimicrobianos pode promover, por meio de transferência horizontal, o intercâmbio de genes entre bactérias ambientais não patogênicas e patogênicas. A consequente remodelação dos microbiomas existentes gera mudanças evolutivas e ambientais, que associados à sua capacidade de disseminação faz com que genes de resistência antimicrobiana (GRAs) sejam considerados poluentes ambientais. Aves marinhas respondem rapidamente às alterações ambientais, sendo excelentes bioindicadores da saúde do ecossistema marinho. O presente projeto visa contribuir para o entendimento do grau de interferência humana no ecossistema marinho por meio da avaliação da presença, identificação e posterior quantificação de GRAs selecionados (tetA, tetB, tetY, tetK, tetM, tetQ, sulI, sulII, str, aadA, catI, catII, erm(B), erm(F), qnrB, qnrS, blaCTX-M, blaTEM, mecA e mcr-1) presentes em plasmídeos no microbioma de aves marinhas de vida livre no momento da admissão em centro de reabilitação da costa sul brasileira (R3 Animal - Florianópolis/SC) e no litoral nordeste brasileiro (Fernando de Noronha (FN) - Recife/PE). Para tanto, será realizada PCR em tempo real de amostras de fezes frescas (enema) coletadas no momento da admissão dos indivíduos em centro de reabilitação (1° cenário), em ponto de alimentação localizado em praia de livre acesso turístico (Praia do Boldró (FN) - 2° cenário), e em colônias localizadas em ilhas de acesso restrito a pesquisadores e não habitadas por humanos (minimamente antropizadas) (Ilha do Meio e Ilha Rata (FN) - 3° cenário), com o objetivo de estabelecer o grau de contaminação ambiental por esses genes nos cenários analisados, considerando as seguintes variáveis: sexo, faixa etária, massa corporal, nicho (costeiro ou pelágico), e comportamento (migratório e não-migratório).