Busca avançada
Ano de início
Entree

Raízes e produtividade de soja e milho consorciado com Tanzânia em função da correção do solo e adubação nitrogenada

Processo: 18/26123-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2019
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Ciro Antonio Rosolem
Beneficiário:Paula Gonçalves Biáforo
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Zea mays   Química do solo   Fertilizantes nitrogenados

Resumo

Nos últimos anos ocorreu uma mudança na época de semeadura da cultura do milho, que, em parte, passou a ser cultivado em segunda safra, após a cultura da soja. Entretanto, praticamente não existe informação consolidas sobre sua resposta ao N nestas condições. A hipótese é que a cultura do milho responderá a menores doses de nitrogênio, por aproveitar o N residual deixado pela soja, principalmente em solo corrigido. O objetivo do trabalho é avaliar a produtividade das culturas de milho e soja em solos com acidez corrigida, assim como a fertilidade do solo e desenvolvimento radicular das culturas em sistema de semeadura direta. A pesquisa é continuação de um projeto com início em 2016, tendo como cultura de verão a soja, nos anos agrícolas de 2016 a 2019. O solo da área experimental foi amostrado nas camadas de 0-10, 10-20, 20-40, 40-60, 60-80 e 80-100, antes da semeadura da soja, no ano 2016 e 2017 e será novamente amostrado em 2018 e 2019 para determinação da fertilidade. Quando a cultura da soja atingir o estádio R3 e o milho o estádio de pendoamento, amostras de solo, nas profundidades de 0-10, 10-20, 20-40, 40-60 e 60-80 cm também serão retiradas para avaliação do sistema radicular do milho e do capim Tanzânia no perfil do solo. Para a análise estatística os dados serão submetidos a análise de variância pelo teste F a 5% (p>0,05). Ocorrendo significância as médias dos tratamentos serão comparadas pelo teste t (DMS), 5 % de significância.