Busca avançada
Ano de início
Entree

Raízes e produtividade de soja e milho consorciado com Tanzânia em função da correção do solo e adubação nitrogenada

Processo: 18/26123-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2019
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Ciro Antonio Rosolem
Beneficiário:Paula Gonçalves Biáforo
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Química do solo   Fertilizantes nitrogenados   Capim-tanzânia   Zea mays   Métodos para melhoria da produtividade   Análise de variância   Análise estatística de dados

Resumo

Nos últimos anos ocorreu uma mudança na época de semeadura da cultura do milho, que, em parte, passou a ser cultivado em segunda safra, após a cultura da soja. Entretanto, praticamente não existe informação consolidas sobre sua resposta ao N nestas condições. A hipótese é que a cultura do milho responderá a menores doses de nitrogênio, por aproveitar o N residual deixado pela soja, principalmente em solo corrigido. O objetivo do trabalho é avaliar a produtividade das culturas de milho e soja em solos com acidez corrigida, assim como a fertilidade do solo e desenvolvimento radicular das culturas em sistema de semeadura direta. A pesquisa é continuação de um projeto com início em 2016, tendo como cultura de verão a soja, nos anos agrícolas de 2016 a 2019. O solo da área experimental foi amostrado nas camadas de 0-10, 10-20, 20-40, 40-60, 60-80 e 80-100, antes da semeadura da soja, no ano 2016 e 2017 e será novamente amostrado em 2018 e 2019 para determinação da fertilidade. Quando a cultura da soja atingir o estádio R3 e o milho o estádio de pendoamento, amostras de solo, nas profundidades de 0-10, 10-20, 20-40, 40-60 e 60-80 cm também serão retiradas para avaliação do sistema radicular do milho e do capim Tanzânia no perfil do solo. Para a análise estatística os dados serão submetidos a análise de variância pelo teste F a 5% (p>0,05). Ocorrendo significância as médias dos tratamentos serão comparadas pelo teste t (DMS), 5 % de significância.