Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão de genes família P450 em Brevipalpus yothersi (Acari: Tenuipalpidae) em resposta a diferentes plantas hospedeiras

Processo: 19/03267-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2019
Vigência (Término): 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Valdenice Moreira Novelli
Beneficiário:Jéssica Gireli Bassani
Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Acarologia   Brevipalpus yothersi   Citrus   Transcriptoma   Expressão gênica

Resumo

Os ácaros do gênero Brevipalpus são economicamente importantes devido à polifagia relacionada a capacidade vetora de fitovírus conhecidos por VTBs (vírus transmitidos por Brevipalpus). Como principais culturas afetadas citros, café, maracujá e ornamentais como as orquídeas. Em citros tem destaque a leprose, causada pelo citrus leprosis virus C (CiLV-C), considerada uma das mais importantes doenças virais dos pomares. De uma relação vírus-vetor atípica, esta doença não é sistêmica, ou seja, o vírus não circula pelos vasos condutores das plantas de citros. Os sintomas aparecem nos locais de alimentação do ácaro, formando lesões cloróticas e/ou necróticas nos frutos, ramos e folhas, culminando em estágios avançados com a morte das plantas. O manejo desta doença é primariamente com uso de acaricidas, sendo B. yothersi a espécie prevalente na transmissão de CiLV-C nos pomares comerciais no estado de São Paulo. No entanto, ainda pouco se conhece sobre os mecanismos de detoxificação nestes ácaros a compostos xenobióticos. No Centro de Citricultura Sylvio Moreira (CCSM-IAC), resultados de transcriptoma (RNAseq) identificaram categorias de genes diferencialmente expressos (GDE) em B. yothersi, em resposta ao CiLV-C. Dentre estes genes, alguns da família citocromo P450, com alta similaridade ao clã CYP3 de T. urticae, sugeriram relação com processos de adaptação às plantas. Considerando a importância do ácaro da leprose também como vetor de outros VTBs, sua alta polifagia e potencial de resistência nos pomares, os objetivos desta proposta serão avaliar os GDEs da família CYP3 previamente identificados, quanto à resposta de expressão em B. yothersi de diferentes plantas hospedeiras, analisando o envolvimento destes genes a processos de detoxificação. Os resultados contribuirão com informações inéditas sobre esse vetor, ampliando-se as perspectivas de entendimento das interações vírus-vetor-hospedeira.