Busca avançada
Ano de início
Entree

Vacina viva atenuada obtida por meio da deleção de genes da Francisella noatunensis subsp. orientalis para tilápia-do-Nilo

Processo: 18/24508-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2019
Vigência (Término): 31 de março de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Pesquisador responsável:Maria José Tavares Ranzani de Paiva
Beneficiário:Miguel Frederico Fernandez Alarcon
Instituição-sede: Instituto de Pesca. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/24930-3 - Mutação do iglD de Francisella noatunensis por mutagênese insercional de marcadores de genes fluorescentes, BE.EP.PD
Assunto(s):Doenças dos animais   Vacinas   Oreochromis niloticus

Resumo

O objetivo final deste projeto será desenvolver uma vacina viva atenuada contra Francisella noatunensis subsp. orientalis (FNO) para ser aplicada utilizada na tilápia-do-nilo (Oreochromis niloticus). Os objetivos específicos serão: i.) Produzir pelo menos uma estirpe mutante de FNO deletando os genes wbtA, pilA, mglA, clpB e tolC, a partir de uma estirpe brasileira não mutante isolada no laboratório do Instituto de Pesca IP (0012018). ii) Avaliar a eficiência da vacina viva atenuada (estirpes mutantes) por meio do ensaio de infecção experimental com a FNO selvagem. A FNO isolada previamente no IP será submetida à deleção dos genes "operons" pela técnica "Lambda red" e verificadas por PCR e sequenciamento dos genes. As estirpes mutantes serão utilizadas para a elaboração de uma vacina viva atenuada. Será realizado um teste "in vivo" para avaliar o grau de imunização causado pela administração da vacina viva produzida. O experimento será em delineamento experimental inteiramente casualizado com sete tratamentos e quatro repetições. Os grupos experimentais serão juvenis de tilápia-do-nilo: inoculados com a solução salina e desafiados com estirpe selvagem de FNO (G1); inoculados com estirpes mutantes de FNO, com deleção em gene(s) do "operon" wbtA (G2), pilA (G3), mglA (G4), clpB (G5) e tolC (G6) e desafiados com estirpe selvagem de FNO, e inoculados com a solução salina e não desafiados (G7). Após 15 dias da inoculação via intraperitoneal, os grupos G1-G6 serão desafiados com a bactéria selvagem patogênica de FNO via oral. Serão avaliados a sobrevivência, manifestação clínica ou subclínica da doença (sintomatologia, lesões macroscópicas e microscópicas, reisolamento). Os dados de sobrevivência e proteção relativa da vacina serão analisados pela ANOVA e comparados por Tukey (P<0,05). Após a realização das duas etapas do projeto, espera-se produzir pelo menos uma vacina viva atenuada contra FNO.