Busca avançada
Ano de início
Entree

Recrutamento, coleta e tabulação de dados cognitivos e biológicos

Processo: 19/03616-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de abril de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Fisiológica
Pesquisador responsável:Sabine Pompéia
Beneficiário:Luanna Maristella Cabanal Inacio
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/14750-0 - Efeito do desenvolvimento puberal na autorregulação do comportamento e suas relações com as condições de vida atual e pregressa, AP.TEM
Assunto(s):Fatores socioeconômicos   Adolescência   Puberdade   Maturação

Resumo

A temática do presente estudo é centrada nos efeitos do desenvolvimento puberal sobre uma gama de fatores biopsicossociais e suas consequências em modular a habilidade de adolescentes de autorregular o próprio comportamento, algo que impacta a saúde mental e física e a qualidade de vida na idade adulta. A proposta é inovadora porque: 1) diferentemente da literatura, que considera a idade no desenvolvimento do comportamento, analisaremos o papel da maturação sexual, o qual determina alterações neurológicas nesta fase da vida; 2) usaremos medidas comportamentais de domínio público, que serão disponibilizadas, e biomarcadores de baixo custo e nada ou pouco invasivos (saliva, sangue capilar, cabelo), no fito de democratizar a reprodutibilidade dos achados. Os fatores biopsicossociais investigados à luz do desenvolvimento puberal incluirão qualidade de sono, cronotipo, humor e como são afetados pelo nível socioeconômico, sexo, ambiente familiar, etc.; medidas biológicas relacionadas à saúde e carga alostática ao longo do desenvolvimento puberal incluirão marcadores metabólicos, endócrinos e imunológicos, pouco invasivas e de baixo custo. Serão então estudados os efeitos destes fatores no desenvolvimento de diversas funções diferenciáveis de autorregulação [baseadas em raciocínio lógico (funções frias) e emoções (funções quentes)]. O estudo será transversal e incluirá 330 participantes de 9-15 anos de uma ampla gama de níveis socioeconômicos. Fatores susceptíveis a intervenções para melhorar a autorregulação na adolescência serão determinados e os resultados serão divulgados para a comunidade científica e o público em geral.