Busca avançada
Ano de início
Entree

Polímero de óleo de soja como um potencial veículo termoprotetor para fitase

Processo: 18/19293-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de abril de 2019
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Pesquisador responsável:Luiz Edivaldo Pezzato
Beneficiário:Edgar Junio Damasceno Rodrigues
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Dieta animal   Nutrição de peixes   Digestibilidade   Ração   Fitases   Oreochromis niloticus   Piscicultura

Resumo

A enzima fitase é utilizada em dietas de animais monogástricos no sentido de minimizar o efeito antinutricional do fitato presente nos alimentos de origem vegetal. A elevação da temperatura durante o processamento das rações próprias à piscicultura diminui significativante a ação dessa enzima e, nesse sentido, este estudo objetiva avaliar um polímero do óleo de soja, obtido pelos princípios da química verde, como termoprotetor para a fitase, presente numa ração submetida ao processo de extrusão. Serão utilizados 192 juvenis de tilápia do Nilo (peso médio de 140g), dispostos em 12 aquários de alimentação (250 litros), constituindo um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x3, com 6 tratamentos e 6 repetições. O esquema fatorial consiste em dois tipos de processamento da dieta: extrusão e peletização x três formas de inclusão da enzima: adsorvida no polímero, pulverizada ao pélete e sem enzima. As dietas conterão a mesma quantidade de polímero (43,1 g/kg/ração) com o mesmo nível de fitase (1500 unidades de fitase/kg/ração), seguindo as formas de inclusão e processamento descritas no esquema fatorial. Os peixes serão alimentados quatro vezes ao dia, até a saciedade aparente e suas excretas serão coletadas diariamente. Para a determinação da eficácia do produto teste, a atividade enzimática nas rações e o coeficiente de digestibilidade aparente dos nutrientes das dietas serão determinados. Os dados serão submetidos à análise de variância, com 5% de significância, e se houverem diferenças significativas será realizado o teste Tukey para comparação das médias. (AU)