Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de filmes e microesferas de quitosana natural impregnados com extratos de resíduos vegetais com propriedades antimicrobianas: aplicação na indústria e agricultura

Processo: 19/03628-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de abril de 2019
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Sandra Regina Ceccato Antonini
Beneficiário:Carina Sawaya Brianti
Instituição-sede: Centro de Ciências Agrárias (CCA). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Araras, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/19139-2 - Desenvolvimento de filmes e microesferas de quitosana natural impregnados com extratos de resíduos vegetais com propriedades antimicrobianas: aplicação na indústria e agricultura, AP.BIOEN.R
Assunto(s):Resíduos   Bactérias   Anti-infecciosos   Leveduras   Quitina   Quitosana

Resumo

Compostos antimicrobianos extraídos de fontes naturais tem um grande potencial no controle da contaminação bacteriana e fúngica na indústria de alimentos. São encontrados em ervas, especiarias, frutas, sementes, folhas e cascas de animais, constituindo uma opção nova, segura e ambientalmente recomendada, uma vez que podem ser utilizados resíduos como fontes de antimicrobianos. Na fermentação alcoólica para produção de etanol combustível as estratégias convencionais de controle de crescimento bacteriano envolvem a utilização de antibióticos e tratamento com ácido sulfúrico. Problemas relacionados ao aumento da resistência aos antibióticos encontrada em bactérias isoladas próximas às destilarias e mesmo o alto custo envolvido na sua aplicação, aliados à periculosidade do manuseio do ácido sulfúrico no tratamento das células entre os ciclos fermentativos, tem estimulado a procura por estratégias não-convencionais para conter a contaminação. A proposta do presente projeto é utilizar resíduos de camarão para obtenção de quitina por meio de fermentação conduzida pela bactéria Lactobacillus plantarum, seguida de desacetilação química da quitina para obter quitosana, e em seguida preparar filmes e microesferas de quitosana impregnados com extratos de cascas e sementes de frutas. Os filmes e microesferas obtidos serão caracterizados e testados contra micro-organismos contaminantes da fermentação etanólica e contra fungos fitopatógenos in vitro. Posteriormente, as microesferas serão testadas durante a fermentação etanólica em duas etapas do processo: durante o tratamento ácido das células que ocorre entre os ciclos fermentativos; e durante a fermentação propriamente dita. Quanto aos filmes, será realizado um teste com tomate para verificar a viabilidade de utilização do filme no controle de fungos causadores de podridão pós-colheita. A ideia é expandir a possibilidade de usar o conjunto quitosana + extratos vegetais para outra esfera de aplicação, na agricultura.