Busca avançada
Ano de início
Entree

Corpos e afetos em cidades fronteiriças na amazônia: reflexões sobre urbanização, sexualidade e transformação social no Alto Solimões

Processo: 19/02852-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2019
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia - Antropologia Urbana
Pesquisador responsável:Silvana de Souza Nascimento
Beneficiário:Thiago de Lima Oliveira
Supervisor no Exterior: Marjolein Elizabeth Maria de Theije
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University Amsterdam (VU), Holanda  
Vinculado à bolsa:16/23046-4 - DESEJO E(M) DERIVA, CIDADE EM FRONTEIRA Homossexualidades e transformação social no Alto Solimões, BP.DR

Resumo

Este projeto explora as narrativas políticas considerando as tensões entre Estado Nação e narrativas alternativas ao processo de urbanização em pequenas e médias cidades da região do Alto Solimões. A pesquisa é baseada no trabalho de campo etnográfico realizado entre 2016 e 2018 com pessoas engajadas em relações com outras do mesmo sexo/gênero no Alto Solimões, em um complexo urbano transfronteiriço na fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru. Desde 1970 esta região tem passando por uma intensificação no processo de urbanização em razão de projetos de integração nacional, desenvolvimento e ocupação de fronteiras demandados pelo Estado. Etnograficamente fundamentado, a pesquisa oferece um vislumbre de como o corpo, os afetos e as diferenças produzem significado para a cidade e para o urbano. A questão central é como o processo de urbanização pode ser analisado considerando as ideias êmicas da diferença e como elas operam na organização das fronteiras espaciais e relacionais. Para isso, pretendo desenvolver a ideia de "operador de fronteira" em uma perspectiva localizada de produções narrativas, já que o privilégio discursivo de falar é direcionado a agentes específicos que organizam o fluxo de sentido, mesmo em cidades fronteiriças onde questões relacionadas à fronteira compõem o cotidiano. A pesquisa tem como objetivo repensar como narrativas são ferramentas políticas na organização da vida, além de produzir uma perspectiva de gênero e sexualidade sobre urbanização na história amazônica contemporânea.