Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudos de encapsulação e liberação in vitro de curcumina em micelas poliméricas compostas por copolímeros tribloco PEO-PPO-PEO

Processo: 19/05624-9
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Iniciação Científica
Vigência (Início): 15 de junho de 2019
Vigência (Término): 14 de outubro de 2019
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Tecnologia Química
Pesquisador responsável:Jorge Fernando Brandão Pereira
Beneficiário:Isabelle Souza Kurnik
Supervisor no Exterior: Antonio Augusto Vicente
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Local de pesquisa : Universidade do Minho (UMinho), Portugal  
Vinculado à bolsa:18/05111-9 - Sistemas micelares de duas fases aquosas baseados em líquidos iônicos como plataformas para a encapsulação de curcumina em micelas poliméricas, BP.IC
Assunto(s):Biotecnologia   Liberação controlada de fármacos   Curcumina   Micelas poliméricas

Resumo

A curcumina (CCM) é um composto natural polifenólico com propriedades antioxidante, antimicrobiana e antitumoral, mas sua hidrofobicidade limita sua aplicação terapêutica. A nanotecnologia pode fornecer um método eficaz para melhorar a solubilidade em meio aquoso deste importante fármaco. No que tange tais aspectos, as micelas poliméricas (MPs), nanoestruturas formadas por self-assembly a partir de tensoativos ou copolímeros anfifílicos, podem assim oferecer um ambiente favorável a fim de carrear a CCM em ambiente aquoso. Tal abordagem é de extrema importância no campo clínico terapêutico, assim como no nanotecnológico, a fim de desenvolver uma formulação inovadora e alternativa para carrear fármacos lipofílicos com baixa solubilidade em ambiente aquoso. Para alcançar este objetivo, o presente projeto pretende obter formulações de MPs compostas de Pluronic L35 para a encapsulação de CCM, empregando diferentes proporções de CCM e Pluronic L35, e ainda, estimar as taxas de encapsulação e carga de CCM nas formulações obtidas. Além disso, é pretendido caracterizar as formulações de MPs e estudar sua estabilidade em termos de tamanho, índice de polidispersão (PDI) e potencial zeta (¶) por espalhamento de luz dinâmico (DLS) e o perfil de liberação in vitro de CCM das MPs em diferentes temperaturas ao longo do tempo.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.