Busca avançada
Ano de início
Entree

Respostas posturais reativas predizem quedas em pacientes com Doença de Parkinson?

Processo: 19/01203-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2019
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Lilian Teresa Bucken Gobbi
Beneficiário:Gabriel Antonio Gazziero Moraca
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Doenças neurodegenerativas   Doença de Parkinson   Assistência ao paciente   Controle postural   Controle motor   Predição   Queda   Coleta de dados   Análise estatística de dados

Resumo

A principal consequência dos comprometimentos motores da doença de Parkinson (DP) é o aumento da ocorrência de quedas. Quedas causam complicações severas, podendo levar o indivíduo a óbito. Dessa forma, a predição de sua ocorrência parece ser importante. Pacientes com DP demonstram atraso na recuperação da estabilidade após uma perturbação externa, o que aumenta o risco de sofrer quedas. O comportamento do centro de pressão (CoP) de pacientes com DP vem sendo analisado em situações com perturbação da postura. Porém, em nosso conhecimento, não está claro se a análise do comportamento do CoP em situações com perturbação pode predizer quedas nessa população. Dessa forma, o objetivo do presente estudo será analisar se o comportamento do CoP nas respostas posturais em situações com perturbações externas é capaz de predizer quedas em pacientes com DP. A pesquisa consistirá em uma análise da ocorrência de quedas de aproximadamente 40 pacientes com DP por um período de 12 meses após a avaliação do controle postural, sendo utilizados dados coletados de um projeto de mestrado já finalizado e o banco de dados do Laboratório de Estudos da Postura e da Locomoção. A perturbação externa ocorreu em 5 de 15 tentativas, com duração total de 20 s cada. A perturbação ocorreu no sentido posterior com 15 cm/s de velocidade e 5 cm de deslocamento em todas as tentativas. As seguintes variáveis do CoP serão analisadas: (1) amplitude de deslocamento; (2) pico; (3) tempo para o pico e (4) tempo de recuperação da posição estável. Para a análise estatística, a curva receiver operating characteristic (ROC) será utilizada para avaliar o desempenho das variáveis do CoP.