Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos ligando angiotensina a obesidade e diabetes: papel da inflamação e da autofagia

Processo: 18/23266-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2019
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Joilson de Oliveira Martins
Beneficiário:João Pedro Tôrres Guimarães
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/09983-3 - O papel da angiotensina na obesidade: inflamação e da autofagia, BE.EP.DR
Assunto(s):Diabetes mellitus   Sistema renina-angiotensina   Inflamação   Autofagia   Obesidade

Resumo

A obesidade é uma doença metabólica crônica que pode estar associada a vários distúrbios médicos que incluem, por exemplo, diabetes mellitus (DM) e hipertensão (HTN). Alguns estudos mostraram vias comuns interligando a obesidade e diabetes à resistência à insulina e ao sistema renina-angiotensina (RAS), um dos principais reguladores da pressão arterial. O angiotensinogênio (Agt) é o principal precursor do RAS, sendo a angiotensina II (AngII) o principal hormônio bioativo nesse sistema. O Agt e outros componentes do RAS são detectados sistemicamente na circulação e localmente em outros tecidos. A ativação do Agt no tecido adiposo exerce efeitos pró-inflamatórios, frequentemente ligados a disfunções nos processos celulares, como por exemplo a autofagia, uma via celular crucial para a homeostase celular. Relacionado a esta proposta, nosso colaborador (Moustaid-Moussa) demonstrou que a AngII aumenta a inflamação nos adipócitos. Na obesidade, o tecido adiposo adquire um perfil pró-inflamatório, com a produção de adipocinas e citocinas que promovem alterações metabólicas que levam à intolerância à glicose e à resistência à insulina, assim como na diabetes. O papel das células imunes ou potenciais interações entre adipócitos e células imunes na mediação dos efeitos RAS na inflamação e autofagia ainda não foi completamente investigado. Acredita-se que a autofagia prejudicada esteja ligada com a diabetogênese através do desenvolvimento de inflamação e resistência insulínica. Por conseguinte, hipotetizamos que o RAS contribua para a inflamação associada a doenças metabólicas através da desregulação da autofagia.