Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação das vias aéreas após a protração maxilar ancorada em mini-implantes: um ensaio clínico randomizado

Processo: 19/03175-2
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Ortodontia
Pesquisador responsável:Daniela Gamba Garib Carreira
Beneficiário:Felicia Miranda
Supervisor no Exterior: Juan Martin Palomo
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Local de pesquisa : Case Western Reserve University, Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:17/04141-9 - Comparação de dois protocolos de protração ortopédica da maxila por meio de ancoragem esquelética: ensaio clínico randomizado, BP.DR
Assunto(s):Técnica de expansão palatina   Má oclusão de Angle classe III   Procedimentos de ancoragem ortodôntica

Resumo

Introdução: O tratamento ortopédico da má oclusão de Classe III aumenta o espaço aérea superior em crianças e adolescentes. A tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC) está sendo amplamente utilizada para analisar a via aérea superior devido à sua alta acurácia e possibilidade de avaliação tridimensional. Objetivo: Esse estudo clínico randomizado tem como objetivo avaliar as alterações no volume e forma das vias aéreas após protração maxilar ortopédica usando dois protocolos diferentes. Métodos: O grupo experimental é composto por 20 pacientes, com uma idade média inicial de 10 anos e dois meses (12 meninas e 8 meninos), tratados com protração maxilar ancorada em mini-implantes. Nesse grupo, foi utilizado a expansão rápida da maxila assistida por mini-implantes (MARPE) e dois mini-implantes foram instalados na mandíbula na distal dos caninos permanentes. Elásticos de Classe III foram utilizados em tempo integral por um ano. O grupo controle é composto por 15 pacientes, com uma idade média inicial de 10 anos e sete meses (6 meninas e 9 meninos), tratados com um expansor Hyrax convencional e dois mini-implantes na mandíbula na distal dos caninos permanentes. Elásticos de Classe III foram utilizados de maneira similar ao grupo experimental. Exames de TCFC com campo de visão de 13 cm e voxel de 0.25mm foram obtidas antes (T1) e depois de 12 meses de tratamento (T2). A amostra foi tratada de Junho de 2017 a Junho de 2019 na Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo. A análise dos dados será realizada na Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio, EUA. Utilizando o software Dolphin, a área transversal mínima, volume total da via aérea superior, volume da nasofaringe, volume da orofaringe e volume da hipofaringe serão avaliados. Softwares de código aberto (ITK-SNAP and 3D slicer) serão utilizados para realizar segmentações e mensurações volumétricas. Serão adquiridos mapas coloridos tridimensionais e sobreposições de semitransparência das vias aéreas. Análise da forma das vias aéreas em T1 e T2 sobrepostas serão obtidas utilizando a ferramenta SPHARM-PDM no software 3D Slicer. O teste t pareado será utilizado para comparações intragrupo. O teste t independente será utilizado para comparações intergrupos. Um nível de significância de 5% será considerado para todos os testes.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.