Busca avançada
Ano de início
Entree

Santa Ifigênia e República: operações espaciais fundamentais para o traçado do perímetro de irradiação (1930 - 1945)

Processo: 19/06091-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de maio de 2019
Vigência (Término): 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Fernando Atique
Beneficiário:Vanessa Alves de Lima
Instituição-sede: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Guarulhos. Guarulhos , SP, Brasil
Assunto(s):História urbana   Bairros   São Paulo (SP)   Iconografia   Fotografias

Resumo

Prestes Maia considerava em seus textos sobre o Plano de Avenidas que o Perímetro de Irradiação principiava seu trajeto na Praça da República. Em "Melhoramentos de São Paulo", ele mostra que partindo da praça da República, o anel circundaria toda a parte de antiga ocupação da Pauliceia. De fato, as modificações de traçado verificadas no setor noroeste do Perímetro de Irradiação alteraram muito da dinâmica da cidade de São Paulo, e permitiram o surgimento de tipologias de edifícios bem diferentes daquelas que se via no centro atrelado à Sé: galerias comerciais, edifícios de múltiplos andares de feição modernista, escritórios etc. Este mesmo setor impulsionou uma modificação na margem esquerda do Rio Tamanduateí, em área que era difícil de ser nomeada como Pary ou Santa Ifigênia. Em todo caso, já estava definida para aquele trecho a instalação do Novo mercado Municipal, que ocorreria nos anos 1930. Interessa-nos, assim, com esta Bolsa TT-3, tentar analisar os discursos que foram empregados para a proposta do Perímetro de Irradiação publicada em 1930, para esta região apontada, bem como para a de final dos anos 1930, publicada em 1945. Queremos observar como a implantação modificada pode ter esbarrado em negociações com particulares, pois, Lefèvre (2006), Atique (2004) e Costa (2010) levantaram hipóteses e mostraram, para a área das Ruas Ipiranga, Basílio da Gama e São Luiz razões diversas que serviram de entraves ao traçado dos anos 1930. A Bolsa TT-3, assim, fará um levantamento de documentação arquivada no Arquivo Histórico Municipal, no Arquivo da Câmara Municipal e da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo em busca de fontes documentais oficiais, em especial decretos, missivas e peças gráficas. Na Hemeroteca Digital o bolsista TT-3 procurará por jornais, em especial o Correio Paulistano, o Estado de S. Paulo e os do Grupo Folha, do período (1930 a 1945), tentando recuperar notícias e artigos alusivos às tensões que tais escolhas para a obra porventura causaram. Igualmente, por meio da busca na Brasilianas Fotográfica, on line, e de acervos como a Casa da Imagem e do Instituto Moreira Sales, o bolsista deverá buscar imagens que nos auxiliem na tarefa de recompor espacialmente a área, como exposto no Projeto.