Busca avançada
Ano de início
Entree

Fazendo eleitores e fazendo campanha: partidos e candidatos na competição eleitoral da Terceira República do Brasil (1946 - 1964)

Processo: 19/03950-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2019
Vigência (Término): 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política - Estado e Governo
Pesquisador responsável:Fernando de Magalhães Papaterra Limongi
Beneficiário:Rodney da Silva Amador
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/14525-6 - Instituições políticas, padrões de interação executivo-legislativo e capacidade governativa, AP.TEM
Assunto(s):Sistema eleitoral   Sistemas partidários   Eleições (processo político)   São Paulo

Resumo

As eleições de 1945 marcam o surgimento de um período efetivamente democrático no país, com competição partidária e eleições regulares. No entanto, nada garantia que a situação anterior a 1945, isto é, o controle das eleições por parte do governo, não pudesse se restabelecer. Um ponto pouco explorado pela literatura é o acordo de cooperação firmado entre PSD e UDN para dar apoio ao governo Dutra, bem como encaminhar sua sucessão, sendo que apenas em alguns estados este acordo não se efetivou nas eleições seguintes, em 1947. Um destes estados era São Paulo, o único a eleger um governador de um partido diferente, muito menor em número e expressão nacional: o PSP de Adhemar de Barros. O objetivo desta investigação é analisar a emergência da competição eleitoral usando as eleições paulistas de 1947 como caso de estudo. A hipótese central, derivada de French (1987) e Simão (1956), é a de que as eleições de 1947 foram decididas pelo fato de o partido de Adhemar de Barros mobilizar um conjunto de eleitores não privilegiados pelos grandes partidos, isto é, enquanto UDN e PSD buscaram seus votos nos interiores do estado, utilizando-se de técnicas da República Velha, o PSP - e, em menor medida o PTN, partido pelo qual concorreu Hugo Borghi - concentrou-se na capital e em áreas mais populosas e com grande presença de trabalhadores urbanos - operários e funcionários do transporte.