Busca avançada
Ano de início
Entree

Pesquisa de hantavírus e outros vírus (Bunyaviridae) em pequenos mamíferos selvagens e seus ectoparasitos

Processo: 19/07443-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2019
Vigência (Término): 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Luiz Tadeu Moraes Figueiredo
Beneficiário:Larissa Mayumi Bueno
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/02438-6 - Estudos com Bunyaviridae causadores de doença, AP.TEM
Assunto(s):Zoonoses   Virologia   Zoologia   Hantavirus   Morcegos

Resumo

Os morcegos apresentam características que favorecem a manutenção, evolução e disseminação de patógenos, tais como o grande número de espécies, a habilidade de voo, a longevidade, os hábitos sociais e a grande variedade de hábitos alimentares. Outra importante característica dos morcegos é o grande contato com seres humanos, habitando residências humanas e centros urbanos. Nos últimos anos, mais de 60 novos vírus já foram descritos para esses animais, e pouco sabemos a relação desses vírus com doenças humanas. Dentre os vírus encontrados em morcegos, podemos citar o Hantavírus, o qual foi predominantemente associado aos roedores. Até 2012, havia apenas um relato de hantavírus em morcegos, no qual descreve um isolamento de um hantavírus patogênico, o vírus Hantaan (HTNV), em tecidos pulmonares de morcegos. Posteriormente, todos os hantavírus encontrados em morcegos não foram relacionados com doença humana. Entretanto, em 2018 foram encontradas evidências de um genótipo letal do Andes orthohantavírus, o Araraquara orthohantavírus (ARQV) entre os morcegos Neotropicais no Brasil, mais especificamente nas espécies Carollia perspicillata e Desmodus rotundus. Portanto, propomos investigar a infecção natural pelo hantavírus em morcegos capturados e mantidos em cativeiro, e assim, verificar se os morcegos são persistentemente infectados. Além disso, propomos avaliar o processo de imunopatogênese em morcegos Neotropicais, a fim de investigarmos o papel dos morcegos como hospedeiros ou reservatórios naturais e, consequentemente, na propagação dos hantavírus causadores de doenças. (AU)