Busca avançada
Ano de início
Entree

Determinantes da aprovação dos governadores

Processo: 19/08444-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2019
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política - Estado e Governo
Pesquisador responsável:George Avelino Filho
Beneficiário:Marcela Mello Zamudio
Instituição-sede: Escola de Economia de São Paulo (EESP). Fundação Getúlio Vargas (FGV). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/15658-1 - As instituições políticas subnacionais: um estudo comparativo dos estados brasileiros, AP.TEM
Assunto(s):Instituições políticas   Governadores   Eleições (processo político)   Banco de dados   Institutos de pesquisa

Resumo

A pergunta central da teoria do voto econômico é se o contexto econômico, incluindo as políticas adotadas pelo governo, influenciam a decisão dos eleitores nas urnas (Mueller 1970, Hibbs 1977, 1982). A teoria defende que os agentes que conduziram a prosperidade econômica devem ser compensados nas urnas, enquanto aqueles que são considerados responsáveis pelo declínio devem ser punidos. Para responder esta questão, as pesquisas têm se dedicado a estudar como o comportamento da economia influencia as taxas de aprovação dos governos (Clarke, et al. 2000, Gronke and Newman 2003) e as taxas de reeleição (Fair 1978) destes mesmos. Enquanto os modelos iniciais colocaram ênfase nas expectativas sobre o desempenho econômico recente ou experiência econômica pessoal, uma série de estudos tem se preocupado com um eleitor econômico mais "sofisticado", que incorpora novas informações sobre o futuro em expectativas econômicas pessoais (MacKuen, et al. 1992). Recentemente, Barberia, Avelino e Zanlorenssi (2018) têm aprofundado os estudos sobre o voto econômico no contexto dos governos subnacionais da federação brasileira para o período entre 1994 e 2014, mostrando que a economia estadual influencia os votos recebidos pelos partidos que concorrem para reeleição nos estados da federação, porém que os efeitos se limitam aos estados mais industrializados. Este projeto de iniciação científica tem por objetivo contribuir para a continuação da construção do banco de dados e de estudos sobre as eleições e a popularidade dos governadores dos estados brasileiros. A construção das bases de dados se baseará em duas fontes. Os dados eleitorais das eleições para governador realizadas em 2018 publicados pelo Tribunal Superior Eleitoral serão a fonte utilizada para atualizar o banco eleitoral dos governadores. As publicações dos dados de opinião pública dos principais institutos de pesquisas (Ibope, Datafolha, Vox Populi, Sensus) sobre a aprovação do presidente e do governador serão a fonte utilizada para atualizar o banco de aprovação do governador. A justificativa para a realização deste projeto é que a literatura sobre voto econômico no Brasil tem se concentrado fundamentalmente sobre as eleições para o executivo nacional e em casos específicos, analisando apenas uma eleição ou então, mesmo quando analisado mais de um caso, o foco é tão somente para os resultados eleitorais ou então a intenção de voto de voto declarada. Para tentar suprir esta lacuna de estudos, este projeto buscará contribuir para a construção de dois bancos de dados sobre as eleições e aprovação dos governadores. Estes bancos já estão em construção. Com a atualização dos bancos, esperamos aumentar o tamanho da amostra especialmente porque os dados de aprovação do governador têm sido publicados somente para 10 dos 26 estados da federação (Barberia, et al. 2016). Com os novos dados a serem coletados, esperamos responder as duas seguintes perguntas: Por que as taxas de aprovação de governador flutuam, tanto em curto prazo quanto em longo prazo? Que forças sistemáticas podem causar a popularidade ou a impopularidade dos governadores ao longo do tempo?