Busca avançada
Ano de início
Entree

Marcadores de inflamação e sistema calicreínas-cininas em modelo de mucopolissacaridose tipo I

Processo: 18/25921-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2019
Vigência (Término): 31 de maio de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:João Bosco Pesquero
Beneficiário:Gabriel Compri Nardy
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Inflamação   Doenças por armazenamento dos lisossomos   Citocinas   Mucopolissacaridose I   Sistema calicreína-cinina

Resumo

Mucopolissacaridose tipo I (MPSI) é um erro inato do metabolismo de herança autossômica, com caráter progressivo devido à deficiência da enzima alfa-L-iduronidase, responsável pela degradação dos glicosaminoglicanos (GAGs) dermatam sulfato e heparam sulfato, levando ao acúmulo lisossomal dessas substâncias. O acúmulo lisossomal leva a diversas disfunções celulares e teciduais. Indivíduos portadores de MPSI podem apresentar diversas condições clínicas que permitem classificar a doença em dois principais subtipos: Síndrome de Hurler (grave), com graves problemas neurológicos, respiratórios, cardiovasculares e articulares; e Síndrome de Scheie e Hurler-Scheie (atenuada), com disfunções neurológicas mínimas ou ausentes e transtornos somáticos multissistêmicos que reduzem a expectativa de vida. Em erros inatos do metabolismo, os distúrbios decorrentes das mutações de genes que codificam enzimas são provenientes diretamente da deficiência enzimática e indiretamente pela inflamação promovida nos diversos tecidos. Para tratamentos dessas doenças, é possível utilizar fármacos para diminuir a inflamação e reduzir a sintomatologia, como ocorre com angioedema hereditário. Contudo, o processo inflamatório relacionado à sintomatologia em MPSI ainda não foi bem esclarecido, o que restringe o tratamento da doença somente à deficiência enzimática sem um possível envolvimento do componente inflamatório. Nesse estudo a ser realizado com animais nocaute para o gene da enzima alfa-L-iduronidase, serão analisados a sintomatologia de MPSI, o processo inflamatório e seus marcadores, com destaque ao receptor B1 do sistema calicreinas-cininas, que posteriormente será alvo do tratamento farmacológico com antagonista. Espera-se que ao final deste trabalho tenha-se revelado um possível novo co-tratamento para MPSI baseado na utilização farmacológica de antagonistas para o receptor B1 das cininas.