Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo e caracterização de agentes virais emergentes selecionados e potencialmente associados a hepatopatias em cetáceos costeiros, pelágicos e de habitat misto no Brasil

Processo: 18/25069-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2019
Vigência (Término): 30 de junho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Pesquisador responsável:Jose Luiz Catao Dias
Beneficiário:Carlos Sacristan Yague
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Vírus da hepatite E   Cetacea   Patologia comparada   Adenovirus   Herpesviridae

Resumo

Cetáceos são classificados como "organismos sentinelas" do meio marinho e são espécies de especial interesse em saúde pública por compartilharem ecossistemas costeiros e possuírem alimentação com base em espécies similares que humanos. Dentre as doenças que acometem os cetáceos, as hepáticas são classificadas como relevantes e relativamente comuns, sendo também relatadas em cetáceos do Brasil. Apesar disso, em diversos estudos a etiologia da maioria das lesões hepáticas observadas não foi estabelecida. Diferentes vírus têm sido descritos como agentes etiológicos de lesões hepáticas em mamíferos, entre eles os herpesvírus, adenovírus e os vírus da hepatite E (HEV) - esse último com certos genótipos considerados zoonóticos. Os três agentes mencionados já foram detectados em cetáceos, e recentemente lesões hepáticas associadas à infecção por HEV foram descritas em golfinhos. Impactos antropogênicos deletérios têm sido descritos como uma das principais causas de perda de biodiversidade e emergência de doenças. Por conta de diferenças em exposição e susceptibilidade (animais de habitats mais impactados por fatores antropogênicos, que poderiam promover quadros de imunossupressão), a ocorrência e carga viral desses agentes infecciosos pode variar entre populações costeiras (habitam águas com menos de 200 metros de profundidade), pelágicas (mais de 200 metros) e de habitat misto (costeiro/pelágico), possivelmente maior nos cetáceos residentes em áreas costeiras. Além disso, esses agentes poderiam estar associados a dano hepático em espécies de cetáceos do Brasil. O presente projeto visa (1) comparar a ocorrência e a carga viral de agentes infecciosos selecionados (herpesvírus, adenovírus e HEV) por meio de ensaios moleculares em espécies de cetáceos costeiras, mistas e pelágicas do Brasil visando avaliar indiretamente o impacto da atividade humana sobre o seu estado de saúde; (2) realizar a caracterização molecular desses agentes empregando diferentes técnicas moleculares, entre elas sequenciamento completo, a fim de estabelecer seu grau de similitude entre diferentes populações costeiras, mistas e pelágicas; e (3) determinar se os agentes selecionados estão associados a lesões hepáticas em cetáceos por meio de técnicas histopatológicas, imunohistoquímicas e hibridização-in-situ. Esses esforços se baseiam em conceitos da medicina da conservação e Saúde Única, visando garantir a conservação dessas espécies e a manutenção da saúdes humana, animal e ambiental.