Busca avançada
Ano de início
Entree

Determinação de genotoxicidade utilizando o ensaio cometa em organismos marinhos

Processo: 19/12115-3
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Iniciação Científica
Vigência (Início): 30 de setembro de 2019
Vigência (Término): 29 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Saneamento Ambiental
Pesquisador responsável:Gisela de Aragão Umbuzeiro
Beneficiário:Gabriel Rampazzo Magalhães
Supervisor no Exterior: Morin Benedicte
Instituição-sede: Faculdade de Tecnologia (FT). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira , SP, Brasil
Local de pesquisa : Université Bordeaux 1, França  
Vinculado à bolsa:17/22010-9 - Toxicidade de sedimentos sob influência do emissário submarino de Santos utilizando o anfípode marinho Parhyale hawaiensis, BP.IC
Assunto(s):Genotoxicidade   DNA   Microplásticos   Poluentes

Resumo

A poluição é uma grande preocupação atual e, entre os poluentes ambientais, os compostos genotóxicos são de grande importância, visto que podem causar efeitos adversos na reprodução, desenvolvimento e crescimento da biota exposta. Para evitar esses danos, é importante avaliar o potencial genotóxico de amostras ambientais através de ferramentas baseadas no efeito. Danos no DNA podem ser avaliados pelo ensaio cometa, que é uma ferramenta sensível, rápida e confiável. Portanto, o objetivo deste estágio é avaliar a genotoxicidade de amostras contendo microplásticos, coletadas na areia ou sedimento, com o ensaio cometa. As amostras serão coletadas na baía de Arcachon, no sudoeste da França. Os microplásticos encontrados nas amostras serão caracterizados e quantificados. Ao retornar ao Brasil, o ensaio cometa será aplicado na hemolinfa do anfípode marinho Parhyale hawaiensis para avaliar a genotoxicidade de sedimentos e amostras de microplásticos. O estágio será desenvolvido no Laboratório de Environnements et Paléoenvironnements Océaniques et Continenteux (EPOC), UMR 5805, - Université de Bordeaux, França, sob a supervisão da Dr. Bénédicte Morin.