Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da restrição proteica materna associado ao consumo excessivo de açúcar pela prole sobre a morfologia, fibrose e proliferação celular do fígado de ratos machos

Processo: 19/08432-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2019
Vigência (Término): 30 de junho de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Histologia
Pesquisador responsável:Sérgio Luis Felisbino
Beneficiário:Marcus Vinicius Lage Silva Giaculi Marques
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Matriz extracelular   Síndrome metabólica   Fibrose   Desenvolvimento fetal   Fígado   Proliferação celular

Resumo

A restrição proteica perinatal (RPP) tem sido associada ao aumento da incidência de doenças cardiovasculares, renais, além de afetar parâmetros reprodutivos e o desenvolvimento de alguns tipos de câncer. Além disso, a exposição destes indivíduos a um segundo insulto na vida pós-natal pode amplificar os danos causados pela RPP aumentando a incidências destas doenças com o envelhecimento. Nosso grupo demonstrou que a RPP impacta o desenvolvimento e aumenta a incidência de lesões prostáticas na prole de ratos velhos. Neste projeto, aproveitando outros órgãos de nossos experimentos, iremos avaliar o fígado de animais de RPP frente à exposição pós-natal ao consumo de açúcar refinado (forma mais consumida de açúcar) quando comparados a ratos nascidos de gestação normal. Mais especificamente, iremos investigar se a restrição proteica materna seguida pelo consumo de açúcar altera a morfologia, fibrose, proliferação e a incidência de lesões hepáticas em ratos adultos jovens (90 dias) e velhos (540 dias). Ratos Sprague Dawley serão divididos nos seguintes grupos experimentais: 1- Controle (CTR): Ratos nascidos de mães que consumirão ração normal (17% proteína) e água ad libitum durante a gestação e lactação; 2-Controle+açúcar (CTR+ACU): O mesmo tratamento do CTR e que consumirão solução de açúcar (10% diluído em água) a partir do dia pós-natal (DPN) 21 até o final do experimento; 3- Restrição proteica perinatal (RPP): Ratos nascidos de mães que consumirão ração hipoproteica (6% de proteina) durante a gestação e lactação e que posteriormente consumirão ração normal e água ad libitum até o final do experimento; 4- Grupo RPP+ACU: ratos nascidos de mães alimentadas com ração hipoproteica durante a gestação e lactação e que consumirão ração normal e solução de açúcar (10% diluído em água) ad libitum a partir do dia pós-natal 21 até o final do experimento. Nos DPNs 90 e 540 os animais serão anestesiados, pesados, eutanasiados e o fígado será coletado para análises histopatológicas, deposição de colágeno, assim como imunohistoquímica para Ki-67. Espera-se contribuir para o entendimento dos efeitos da programação fetal por restrição proteica seguido do consumo de açúcar sobre a morfofisiologia do fígado e repercussões na incidência de lesões com o envelhecimento.