Busca avançada
Ano de início
Entree

Implicações do comércio nacional e internacional de Rã-Touro na dispersão e tolerância adquirida ao fungo quitrídio e medidas para conservação de anuros

Processo: 18/23622-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2019
Vigência (Término): 31 de julho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Luis Felipe de Toledo Ramos Pereira
Beneficiário:Luisa de Pontes Ribeiro
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/25358-3 - O fungo quitrídio no Brasil: da sua origem às suas consequências, AP.TEM
Assunto(s):Conservação   Anura   Rã-touro   Quitridiomicetos   Filogenia   Brasil

Resumo

A biodiversidade mundial vem sofrendo preocupante redução em todos os níveis, tornando-se essencial medidas e ações que visem a conservação de espécies. Atualmente, os anfíbios representam o grupo de vertebrados mais ameaçado, tendo como uma das principais ameaças a Quitridiomicose, doença infecciosa emergente causada pelo fungo Batrachochytrium dendrobatidis (Bd). O Bd é um patógeno flagelado que é eficiente na sua transmissão, seja pela água ou pelo contato entre indivíduos. O desenvolvimento da doença compromete funções osmorregulatórias, eletrolíticas e cardíacas podendo levar os indivíduos à morte. O fungo pode também produzir toxinas que interferem nas respostas imunes do hospedeiro, embora os efeitos fisiológicos ainda sejam pouco estudados. Além disso, diferentes hospedeiros apresentam respostas imunológicas e fisiológicas distintas à infecção. A Rã-Touro, Lithobates catesbeianus, é uma espécie tolerante à Quitridiomicose e pode atuar como reservatório e vetor do patógeno. Essa espécie é comercializada para consumo humano, e seu crescente comércio mundial tornou a Rã-Touro uma das principais espécies invasoras do mundo afetando negativamente a anurofauna nativa. Devido ao fato dos criadouros de rãs apresentarem altas prevalências do fungo e o comércio ser global, essa espécie atua também um vetor internacional do patógeno. Além de atuar como um reservatório e vetor de Bd, é possível que essa espécie, e sua criação em massa, atuem também como um superdispersor do fungo para ambientes naturais. A falta de informações sobre a produção de Rãs-Touro, bem como de protocolos de biossegurança na infraestrutura e comercialização das rãs aumenta a preocupação sobre possíveis impactos negativos para espécies nativas. Assim, devemos compreender o papel dessa espécie e de sua criação em massa na disseminação de Bd. Portanto, objetivamos mapear os criadouros do Brasil, traçar suas rotas de comércio nacional e internacional; construir uma filogenia das diferentes cepas encontradas nesse comércio através de sequenciamento; entender os mecanismos de tolerância dessa espécie e testar a possível função da Rã-Touro como superdispersora de Bd. Finalmente, pretendemos realizar workshops com importantes grupos da sociedade brasileira mostrando a problemática da falta de regulamentação e executar a elaboração de manuais de boas práticas e biossegurança, além de propostas de regulamentação e fiscalização da produção e comércio dessa espécie visando a conservação da anurofauna nativa em todo o mundo. (AU)