Busca avançada
Ano de início
Entree

Anexina A3 na Doença de Alzheimer

Processo: 19/05508-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Leda Leme Talib
Beneficiário:Lucas Yongsoo Park
Instituição-sede: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Biomarcadores   Doença de Alzheimer   Plaquetas sanguíneas   Neurociências

Resumo

A população mundial passa por um processo de transição demográfica,na qual vem ocorrendo o aumento da população idosa. Com isso, cresce aincidência de inúmeras doenças, por exemplo cardiovasculares e neuropsiquiátricas. Dentre essas doenças neuropsiquiátricas, a doença deAlzheimer merece uma atenção especial, pois segundo dados do governo americano, entre 1999 e 2014, as mortes causadas por essa doençaaumentaram em 54,5%. A DA é uma enfermidade que prejudica muito a qualidade de vida dos pacientes, principalmente nas etapas finais de sua vida. Manifestações clínicas dessa doença são demência de evolução progressiva, déficit progressivo na memória de curto prazo, agnosia, distúrbios na linguagem e na coordenação motora, entre outros. O diagnóstico definitivo daDA pode ser realizado apenas por meio de uma biópsia cerebral que analisa a quantidade de placas senis e de emaranhados neurofibrilares de proteína TAU presentes no hipocampo. Na fisiopatologia da DA, as concentrações periféricase cerebrais das enzimas fosfolipase A2 citosólica (cPLA2) e fosfolipase A2 independente de cálcio (iPLA2) se encontram reduzidas. A anexina A3 (ANXA3), outra proteína de membrana, conhecidamente é capaz de inibir a atividade dasenzimas mencionadas anteriormente. Nesse sentido, esse estudo objetiva investigar esse possível marcador biológico da doença de Alzheimer emamostras de sangue periférico e compará-los com o grupo controle. Para isso, será constituída uma casuística de 30 indivíduos com DA e 30 indivíduosnormais. Para análise do potencial biomarcador de DA será determinada, em plaquetas, a expressão de ANXA3 e relacionada com a atividade das enzimasiPLA2 e cPLA2, dos respectivos grupos.