Busca avançada
Ano de início
Entree

Análises in vitro da ação de carreadores lipídicos nanoestruturados (CLN) revestidos e não revestidos com ácido hialurônico (AH) em células de Câncer do Colo do Útero e células normais

Processo: 19/07797-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2019
Vigência (Término): 30 de junho de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Flávia Cristina Rodrigues Lisoni
Beneficiário:Myllena Mayla Santos de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia (FEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ilha Solteira. Ilha Solteira , SP, Brasil
Assunto(s):Biologia molecular   Neoplasias do colo uterino   Carreadores lipídicos nanoestruturados   Ácido hialurônico   Nanopartículas   Células tumorais

Resumo

O câncer do colo do útero é uma das principais neoplasias ginecológicas em todo o mundo, sendo considerado o terceiro tipo de câncer mais comumente diagnosticado e a quarta causa de morte por câncer em mulheres. Como alternativas de tratamentos há, cirurgia, quimioterapia, radioterapia e braquiterapia, sendo estes na maioria das vezes utilizados em conjunto. Mas aproximadamente 35% das mulheres diagnosticadas com câncer do colo do útero tem a doença recorrente, com 90% desses achados nos três anos após o tratamento inicial. Em função disso, terapias alvo e estratégias de quimio e radioterapias são essenciais para a redução da mortalidade, se destacando a pesquisa e o desenvolvimento de nanoterapias que poderiam fornecer uma maior eficácia e/ou redução de toxicidade indesejada no tratamento de câncer. E entre as pesquisas, é visto grande potencial para uma terapia mais local, os carreadores lipídicos nanoestruturados (CLN) e o ácido hialurônico (AH). Portanto, foi proposto o presente trabalho que tem como objetivo geral averiguar a interação e internacionalização da nanopartícula lipídica (revestida e não revestida com ácido hialurônico) sobre a morfologia, proliferação, citotoxicidade, migração celular e apoptose, observando como as nanopartículas agem e como essas alterações podem participar do processo tumorigênico. Para isso, serão utilizadas uma linhagem de células escamosas de carcinoma de colo do útero (SiHa) e uma linhagem de células normais (HaCaT), que serão tratadas com nanopartículas lipídicas (CLN) revestidas e não revestidas com ácido hialurônico (AH). Assim poderemos entender um pouco dos mecanismos e interações dessas nanopartículas, com as células tumorais de câncer do colo do útero e células normais.