Busca avançada
Ano de início
Entree

Foucault e os pequenos corpos dóceis na ginástica artística feminina do Brasil

Processo: 19/04687-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 31 de julho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Outras Sociologias Específicas
Pesquisador responsável:Myrian Nunomura
Beneficiário:Vitor Ricci Costa
Instituição-sede: Faculdade de Educação Física (FEF). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Michel Foucault   Sociologia do esporte

Resumo

A qualidade dos relacionamentos interpessoais estabelecidos no contexto sociocultural do esporte de alto rendimento é fundamental para experiências positivas e para o sucesso esportivo. No caso da Ginástica Artística Feminina (GAF), as ginastas dedicam muitas horas de suas vidas aos treinamentos e convivem integralmente com as pessoas inseridas no ginásio. Nesse contexto, a relação afetiva entre as atletas e seus treinadores é essencial para superar os desafios da modalidade. Por outro lado, identificamos desequilíbrios que contribuem para um padrão autocrático nesse relacionamento. Dessa forma, as atletas costumam ser dependentes do treinador e são ensinadas a agir sem questionar, tornando-se corpos dóceis, produtivas e submissas. Frente a esse cenário, há indícios que revelam equívocos no gerenciamento dessa relação de poder, que refletiriam a subordinação, o assédio e o abuso. Destacamos essa preocupação, pois as ginastas, geralmente, são crianças e jovens. Entretanto, ponderamos que o treinador lida com as expectativas das ginastas, dos pais, dos clubes e com seus próprios objetivos. Dessa forma, acreditamos que analisar como esses relacionamentos acontecem e como os treinadores os gerenciam seja o passo inicial para trazer à tona a gênese dessa complexa problemática. Assim, nosso objetivo será analisar como acontecem as relações de poder em um ginásio de treinamento de alto rendimento de GAF no Brasil a partir de uma abordagem etnográfica. Recorreremos à técnica da análise temática para analisar os dados. Utilizaremos o aporte teórico de Michel Foucault para discutir as relações de poder no ginásio de treinamento e para repensar a lógica disciplinar no relacionamento ginasta-treinador. (AU)